Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

‌Governo recebe projeto hídrico que pode dobrar produção de cana no Nordeste

 

 
Um projeto que pode mudar o problema de déficit hídrico no cultivo da cana está sendo desenvolvido pela Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana) e seus pilares foram apresentados para o secretário nacional de Irrigação, Ricardo Santa Rita, nesta quarta-feira (10), em Brasília. O projeto visa reter a água abundante da quadra chuvosa em pequenas propriedades através de micro barragens, evitando seu desperdício e utilizando-a durante o período mais seco. A medida, se aprovada pelo governo, pode dobrar a produção e evitar a morte da planta com o armazenamento da água da chuva, otimizando o seu uso.
O problema de déficit hídrico sobre a agricultura prejudica a produção nacional e o faturamento do produtor que depende da regularidade da chuva. A produção canavieira do NE, por exemplo, enfrenta problemas hídricos todos os anos, independente dos períodos cíclicos de seca. O ciclo pluviométrico é marcado por bons volumes de chuva em poucos meses e o restante fica bem baixo, sobretudo quando a planta precisa de água para rebrotar, em destaque entre novembro a janeiro. Com isso, a produção cai significativamente e promove a morte da socaria.
Com as mudanças climáticas,convivemos até com estiagem em meses da quadra chuvosa, a exemplo do mês de julho que costuma ter um elevado índice pluviométrico, mas este ano foi seco,ficando 40% abaixo da média histórica do período na Zona canavieira do NE”,disse Alexandre Andrade Lima, presidente da Feplana ao defender o projeto para o secretário de Irrigação. O dirigente lembrou que a água armazenada poderia inclusive ser usada nesta condição pelos pequenos produtores que não têm recursos para instalar as suas barragens.
Além de garantir a segurança hídrica para a produção dos pequenos canavieiros e ainda evitando que a água da chuva deságue no mar sem nenhuma função, estas barragens de salvação, como estão sendo chamadas pela Feplana, podem contribuir e até dobrar a produção da cana e evitar um prejuízo ainda maior com a morte da socaria da planta, que pode durar até seis safras se irrigadas de forma adequada.
As barragens de salvação são indispensáveis para os canaviais do NE e fundamentais para as demais regiões produtores que carecem de uma segurança hídrica mínima. O secretário de Irrigação se mostrou muito interessado pela proposta e pediu para que a Feplana a entregasse detalhadamente. A entidade ficou de enviar até o início do próximo mês.
A audiência com o secretário foi articulada pelo deputado federal Andre Amaral (PMDB/PB), que participou do encontro junto de Andrade Lima. O vice-presidente (Paulo Leal) e o diretor financeiro (Murilo Paraíso) da Feplana também participaram do encontro realizado em Brasília.
Fonte: (Assessoria de Imprensa da AFCP)