Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

48% veem risco alto de escassez de energia neste ano

 

A maioria dos brasileiros acredita em escassez de energia ainda neste ano. Segundo pesquisa do Ibope, 75% dos cidadãos veem como muito grande, grande ou médio o risco de o Brasil sofrer um racionamento de energia em 2014.

Considerando os consumidores que classificam esse risco alto (grande ou muito grande), o percentual é de 48%.

Encomendada pela Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia), a pesquisa foi divulgada nesta quinta-feira (7). Das 2.002 pessoas entrevistadas em todo o país, 13% dizem que o risco de racionamento é pequeno e 4% afirmam que é muito pequeno, enquanto 8% não souberam responder. As entrevistas foram realizadas entre 17 e 22 de junho.

Na quarta (6), o Ministério de Minas e Energia dissera que há “risco zero” de desabastecimento e racionamento de energia nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste neste ano.

Para 88% dos entrevistados pelo Ibope, é necessária uma campanha imediata para a conservação de energia, com a finalidade de evitar que ameaças de abastecimento se tornem um problema crônico.

Para o presidente da Abraceel, Reginaldo Medeiros, o resultado mostra que o consumidor está bem informado sobre a crise no setor e que deseja mudanças.

“A pesquisa mostrou que 2 a cada 3 brasileiros gostariam de mudar de prestador de serviço, pois acreditam que a competição leva a uma redução de preço”, diz Medeiros.

A entidade lançou, durante evento nesta quinta em São Paulo, a campanha “A energia da democracia é livre”, com o objetivo de promover a portabilidade do consumidor no setor elétrico, ou seja, que ele possa escolher o seu fornecedor de energia ou ser até mesmo um autoprodutor.

Fonte: Folha de S. Paulo