Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,44%

    74.157,38

  • 25/11/2017 06h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,31%

    R$ 3,232

  • 25/11/2017 06h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 15,43%

    R$ 66,81

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,24%

    R$ 1,6810/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,21%

    R$ 1,8324/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

Aneel nega pressão do governo na proposta para reduzir preço da energia

 

A intenção da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) de reduzir o preço teto da energia elétrica no mercado de curto prazo não é resultado de pressões do governo, disse nesta terça-feira (14) o diretor-geral da reguladora, Romeu Rufino.

“Não houve nem pressão nem pedido do governo para mexer no PLD [sigla para Preço de Liquidação de Diferenças, que estabelece limites para o valor da energia no mercado para compra imediata]“, afirmou o diretor. “O que houve foi uma iniciativa da Aneel, como já faz todo ano, de rediscutir esse assunto”, completou.

Uma das propostas da área técnica sugeria que o preço da energia no curto prazo fosse aumentado, passando de R$ 822 para R$ 1.364. A mudança faria com que o consumidor pudesse receber, ainda com mais clareza, um sinal de preços. Para reduzir o consumo quando o valor estiver muito elevado.

No lugar disso, a agência submeteu uma proposta para consulta pública que reduz o valor teto vigente para R$ 388. “A diretoria não concordou [com a opção de aumentar o preço]. Quem propõe a audiência pública é a diretoria. E diante de todas as reflexões, a diretoria entendeu que essa é a melhor opção [reduzir o preço]. Não temos que justificar porque ficou diferente da área técnica”, defendeu o diretor-geral.

Leilão

Segundo a Folha apurou, para tentar garantir o sucesso do leilão de energia marcado para 3 de dezembro, o governo busca reduzir o teto do preço da energia no curto prazo.

O objetivo é desestimular que empresas deixem de vender energia no leilão para obter um preço maior no mercado em 2015.

No leilão de dezembro, a Aneel tenta garantir oferta de energia suficiente para que as distribuidoras de energia não enfrentem um problema semelhante ao deste ano, quando registraram um prejuízo de R$ 19 bilhões.

O diretor-geral da agência não negou que a mudança possa influenciar o resultado do leilão.

“É evidente que dependendo do teto [do preço da energia] pode haver mais ou menos interesse em jogar com na questão do mercado de curto prazo [por parte das empresas]“.

Encargo

Na mesma proposta, a agência também pretende alterar o pagamento de um encargo chamado ESS (Encargo de Serviço do Sistema).

Esse encargo era compartilhado entre todos os consumidores sempre que térmicas muito caras precisavam ser usadas.

A regra proposta pela Aneel pretende fazer com que apenas os responsáveis por esse uso extra de térmicas arquem com essa conta.

Por um lado, a medida beneficia os consumidores que se programaram melhor para comprar energia e dispunham da quantidade suficiente para o mês, enquanto, por outro, atribui responsabilidade a quem não se programou ou teve de recorrer a esses contratos.

Timing

O diretor da Aneel Tiago de Barros Correia defendeu o momento para a alteração das regras.

Segundo ele, o governo teve “a tranquilidade” para decidir sobre o PLD apenas agora, quando ainda não é possível prever como será o próximo regime de chuvas e, portanto, sem poder medir se o preço da energia cairá muito nos próximos meses ou se subirá.

“Estamos em um momento de transição. É muito difícil que uma empresa que queira especular saiba agora o que vai acontecer. Quem vai ganhar ou perder dinheiro. Estamos fazendo no momento certo”, completou.

(Fonte: Folha Online)