Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Aneel pode arrecadar até R$ 17 bi com bandeiras tarifárias

 

Brasília - Os novos valores da bandeira tarifária poderão representar aumento de quase R$ 6,5 bilhões na arrecadação prevista pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

De acordo com Tiago de Barros Correia, diretor da agência, a previsão era, no pior cenário, obter montante máximo de R$ 10,6 bilhões. Com o acréscimo, este valor pode atingir R$ 17 bilhões.

Diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino informou que a bandeira não representa necessariamente aumento de custo. Segundo ele, ela apenas antecipa custos que teriam de ser repassados em outro momento, mas sem a incidência de juros.

“A bandeira aprimora a forma de repassar o custo já existente ao consumidor. Na prática, não é aumento, porque o custo seria repassado posteriormente, com acumulado do ano e remuneração pela Selic. Portanto [no formato antigo], o consumidor, além de pagar o custo com defasagem, pagava com remuneração. Com a bandeira, ele não paga o custo financeiro”, disse Rufino.

Tiago Barros Correia lembrou que a bandeira tarifária também é um instrumento de comunicação das distribuidoras e da Aneel com o consumidor.

"Se o consumidor aproveitar o sinal de preço para consumo mais consciente, ajudará a reduzir o preço da conta de luz. Estudos da Aneel mostram que 66% do consumo se concentram basicamente em ar condicionado, chuveiro e geladeira”, ressaltou. “São três itens que o consumidor deverá estar atento, porque uma redução no consumo permitirá que a bandeira vermelha não permaneça ao longo de todo o ano”, acrescentou.

Sobre a possibilidade do Ministério de Minas e Energia prorrogar por um mês o horário de verão, Rufino afirmou que a questão não passa pela Aneel.

"Nos cabe apenas contribuir e subsidiar autoridades por meio de simulações. Estudos já estão sendo feitos, mas só a conclusão nos mostrará se vale a pena diminuir o prazo”, concluiuisse Romeu Rufino.

Fonte: Pedro Peduzzi, da AGÊNCIA BRASIL