Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,62%

    75.531,06

  • 21/09/2017 14h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,18%

    R$ 3,135

  • 21/09/2017 14h00
    UOL

AÇÚCAR INTERNACIONAL

  • Variação

    Valor

  • 0.14%

    14.68 USd/lb.

  • 21/09/2017 14h00
    Bloomberg

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,61%

    R$ 52,65

  • 21/09/2017 14h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,55%

    R$ 1,4355/L

  • 21/09/2017 14h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,97%

    R$ 1,5837/L

  • 21/09/2017 14h00
    CEPEA

Aumento da mistura: setor volta a se reunir com governo essa semana

 

Autoridades do setor sucroenergético, representantes do governo e da Anfavea irão se reunir novamente essa semana, em Brasília, para tratar sobre o aumento da mistura de etanol na gasolina, dos atuais 25% para 27,5%. O novo encontro poderá ocorrer dia 27 ou 28 de novembro. “Ficou combinado a nova reunião para que todos os presentes do último encontro tenham acesso ao relatório do governo sobre esse aumento e a Anfavea apresente uma proposta para redução de prazo da conclusão dos seus estudos, que será avaliada pelo governo”, explica Renato Cunha, que representou o Fórum Nacional Sucroenergético na reunião que aconteceu na última quinta-feira, dia 20, na Casa Civil.

Desse encontro participaram autoridades do segmento sucroenergético e políticos, a convite do ministro Aloizio Mercadante. Entre eles os ministros Neri Geller (Agricultura) e Mauro Borges (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior),Valdir Simão (Casa Civil), Pedro Robério (Sindaçucar – AL),Roberto Hollanda (Biosul), Pedro Luciano (Fórum), Elizabeth Farina (Unica), representantes da Anfavea, entre outros.

Durante a reunião, a Anfavea divulgou que  está conduzindo os testes e que até agora apenas 25% já estariam concluídos e que o restante só estaria pronto a partir de fevereiro, explica Cunha.

Segundo o executivo, a vigência da mudança deveria ocorrer no máximo em janeiro, quando o Nordeste ainda estará em safra. “Se os 27,5% só vigorar em março ou abril os efeitos no Nordeste só ocorrerão na safra 2015/16, portanto, período muito distante. O governo federal tem que entender que o Nordeste produz mais de 2,3 bilhões de litros e que o Brasil é um país com duas épocas de safra complementares. Se essa medida somente entrar em vigor em março será um desestímulo à produção de etanol fora do Centro-Sul do país”, revela Cunha.

Fonte: Andréia Moreno - 24/11/2014 - Jornal Cana