Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 19/09/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,02%

    R$ 3,136

  • 19/09/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR INTERNACIONAL

  • Variação

    Valor

  • 3.69%

    14.37 USd/lb.

  • 19/09/2017 22h00
    Bloomberg

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,17%

    R$ 52,42

  • 19/09/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,55%

    R$ 1,4355/L

  • 19/09/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,97%

    R$ 1,5837/L

  • 19/09/2017 22h00
    CEPEA

BC eleva para 17,6% reajuste de energia em 2014

 

Brasília - Pela quinta vez consecutiva o Banco Central revisou para cima a projeção para as tarifas de energia elétrica em 2014. A previsão consta na ata do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada nesta quinta-feira, 6. A nova expectativa é de 17,6%. A anterior estava em 16,8% para esse segmento.

Em fevereiro, a autoridade monetária esperava uma alta bem menor, de 7,5%. Do início do ano até o mês passado, uma série de reajustes foi incorporada ao cenário do BC e, todo o desconto que havia sido dado aos consumidores em 2013 não apenas foi anulado como ultrapassado.

No caso do botijão de gás também houve aumento, passando de 0,6% de alta até julho para 2,8% de aumento até setembro. Por outro lado, o BC prevê alívio para os preços de segmentos importantes, como o da telefonia fixa.

A autoridade monetária considera que ocorrerá redução de 6,4% nas tarifas desse serviço. Na ata passada, a percepção era de que haveria retração de 6,3%.

Para a gasolina, o BC considerou uma alta de 0,1% até setembro ante constatação de queda de 0,1% verificada até julho.

O BC também alterou a projeção de reajuste dos preços administrados para 2014, 5% para 5,3%. Para 2015, a instituição manteve a projeção em 6%. Para 2016, em 4,9%.

Fonte: Victor Martins / Célia Froufe e Adriana Fernandes, do Estadão Conteúdo