Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Brasil terá que dobrar sistema elétrico nos próximos anos

 

Rio de Janeiro - O Brasil terá que dobrar seu sistema elétrico nos próximos 15 a 20 anos para atender as necessidades de energia do país, disse o secretário de planejamento e desenvolvimento energético do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura Filho, nesta quinta-feira.

De acordo com uma estimativa apresentada por ele durante o Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico (Enase), Ventura explicou que se o mercado elétrico brasileiro crescer na média esperada de 4,5 por cento nos próximos 15 anos a oferta de eletricidade terá que dobrar em relação aos atuais 140 mil megawatts. Se o nível de demanda for mais lento, e o mercado crescer apenas 3,5 por cento, o sistema elétrico nacional terá que dobrar em cerca de 20 anos, afirmou.

O secretário disse que o Brasil precisará apostar em diversas fontes de energia nos próximos anos para poder dobrar o tamanho da oferta e defendeu a expansão da hidroeletricidade no país.

Segundo ele, o Ministério de Minas e Energia está empenhado para realizar até o final deste ano o leilão da hidrelétria São Luiz do Tapajós, no Pará. "Não trabalhamos com a hipótese de não ser realizado (...) o leilão seria no fim desse ano", disse ele.

Na avaliação do secretário, Tapajós é fundamental para o aumento da oferta de energia no Brasil e faz parte de um programa de expansão da geração no norte do Brasil que inclui as hidrelétricas Jirau, Santo Antônio e Belo Monte.

"(A usina de Tapajós) É a última fronteira da hidroeletrecidade e precisamos dar continuidade para atender a nossa necessidade na próxima década", disse ele.

O secretário reforçou ainda a perspectiva de que a usina Belo Monte entrará em operação em 2016 e destacou que a produção da hidrelétrica, que terá potência instalada de cerca de 11 mil megawatts, será fundamental para atender a demanda de energia do país nos próximos três anos.

Fonte: Reuters