Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,44%

    74.157,38

  • 25/11/2017 06h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,31%

    R$ 3,232

  • 25/11/2017 06h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 15,43%

    R$ 66,81

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,24%

    R$ 1,6810/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,21%

    R$ 1,8324/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

Cogeração: fornecedor de cana irá receber pela biomassa

 

O fornecedor de cana-de-açúcar da região Centro-Sul do Brasil deverá ser remunerado pela biomassa empregada na cogeração de excedente vendido no mercado pelas usinas.

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) e a Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil (Orplana) criaram um grupo técnico para estudar essa forma de remuneração.

Ela não está prevista no  modelo do Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de S. Paulo (Consecana), visto que o consumo de energia entra no modelo a custo zero.

O ajuste de parâmetros técnicos, econômicos e financeiros será estudado, já que o atual modelo do Consecana foi elaborado para remunerar a cana-de-açúcar quando destinada à fabricação de açúcar e de etanol e não especificamente para a produção de energia.

“Todo esse conjunto de variáveis mostra a complexidade e o grande desafio que será tratar este tema no âmbito do Consecana”, conclui Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da Unica.

Segundo o gerente em Bioeletricidade da Unica, Zilmar de Souza, a produção de bioeletricidade normalmente é vendida em contratos de longo prazo, nos leilões promovidos pelo Governo Federal, e, portanto, os preços médios obtidos variam de usina para usina e estão bem distantes dos preços no mercado spot de energia, que se encontram aquecidos desde o ano passado, devido à crise na oferta hídrica pela qual passa o setor elétrico.

Segundo a Unica, a geração e comercialização da bioeletricidade sucroenergética,  somente na última safra na Região Centro-Sul (que processa 90% da cana do país), incrementou de forma relevante as receitas das usinas geradoras de bioeletricidade.

“O faturamento adicional que algumas unidades estão conseguindo por gerar e comercializar este tipo de energia tem proporcionado um respiro aos seus caixas, justamente neste momento economicamente adverso que o setor enfrenta. As receitas com a bioeletricidade estão auxiliando as empresas a manter em dia os pagamentos de suas obrigações, inclusive junto a seus fornecedores de cana”, afirma Padua, em relato à imprensa.

Na última safra, em muitas unidades, a geração de bioeletricidade ocorreu com até 10% originada da aquisição de biomassa de terceiros, que muitas vezes está disponível a preços competitivos.

Fonte: Jornal Cana - Delcy Mac Cruz - 08/04/2015