Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 76.594,36

  • 15/07/2018 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,86%

    R$ 3,851

  • 15/07/2018 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 5,26%

    R$ 55,33

  • 15/07/2018 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,57%

    R$ 1,4652/L

  • 15/07/2018 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,13%

    R$ 1,6660/L

  • 15/07/2018 22h00
    CEPEA

Com preços internacionais do açúcar em alta, Brasil registra cotações recordes

 

 
As incertezas sobre a interferência climática na safra brasileira e os entraves produtivos na Índia continuam a favorecer os contratos futuros de açúcar na bolsa de Nova York (ICE Futures US).
 
Refletindo o déficit global nas safras 2015/16 e 2016/17, desde o início do ano a cotação em NY saiu de US$ 15 cents/lb para ser negociado a US$ 21 cents/lb.
 
Ao contrário de outros produtos, os preços internacionais do cristal conseguiram superar a queda do dólar nos últimos meses. "Com isso, chegamos a registrar recordes acima de R$ 1.500,00 a tonelada no preço do açúcar no início de julho", explica o analista da FCStone, João Paulo Botelho.
 
E a boa rentabilidade do açúcar já tem alterado o comportamento das usinas brasileiras. Dados mais recentes da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar) mostram que 47,1% da cana moagem no Centro-sul foi destinada a produção do adoçante natural.
 
Apesar do bom cenário, no curto prazo, Botelho acredita que as cotações já alcançaram um teto, mesmo porque, no Brasil o clima tem favorecido os trabalhos de campo em todo o Centro-Sul.
 
No longo prazo Botelho diz ser importante acompanhar os eventos de clima e demanda, que poderão promover novas altas na bolsa. "Na próxima safra alguns países devem ter recuperação na produção, mas ainda assim, os principais países da Ásia ainda têm muita incerteza quanto a produção", explica.
 
 
Aleksander Horta e Larissa Albuquerque
 
Fonte: NovaCana.com