Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,44%

    74.157,38

  • 25/11/2017 06h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,31%

    R$ 3,232

  • 25/11/2017 06h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 15,43%

    R$ 66,81

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,24%

    R$ 1,6810/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,21%

    R$ 1,8324/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

Copa derrubou produtividade e disparou faltas em empresas, diz levantamento

 

Levantamento realizado pela consultoria Wiabiliza mostra que, durante os dias de jogos do Brasil na Copa do Mundo, o desempenho dos colaboradores piorou em 70% das empresas entrevistadas. As faltas ao emprego também saltaram até sete vezes.

Como se trata de uma enquete localizada, sem distribuição estatística que represente o conjunto das empresas do país, os resultados não podem ser ampliados para todo o Brasil e devem ser considerados somente entre o universo das empresas que responderam ao levantamento.

No dia seguinte aos jogos, a piora no desempenho dos profissionais era de 30% das empresas. No dia anterior aos jogos esse percentual era de 14%.

Segundo José Antonio Prudente, sócio e consultor da Wiabilizaa, a ansiedade pelo desempenho da seleção brasileira nos jogos foi o que provocou a queda na produtividade dos funcionários.

Faltas ao trabalho aumentaram sete vezes

Ainda segundo o levantamento, o índice de faltas ao trabalho deu um salto em jogos da seleção. Dois dias antes das partidas, a média de ausência era de 5% dos funcionários. Nos dias das partidas, esse índice saltou sete vezes, indo para 35%.

No dia posterior a cada jogo, o número de faltas foi de 16% (três vezes superior à média normal).

Participaram da enquete companhias dos setores de agronegócios, financeiros, farmacêutica, hospitalar, TI, serviços, construção civil, editoras, metalurgia, gráficos, plásticos e sucroenergético.

Fonte: Do UOL, em São Paulo