Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Copom aumenta juros para 13,25%

 

São Paulo - O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou hoje um aumento de meio ponto percentual, de 12,75% para 13,25%, na taxa básica de juros da economia, a Selic.

A decisão veio dentro do esperado pela maior parte dos economistas e instituições financeiras, de acordo com o último Boletim Focus e outros relatórios.

É o quinto aumento seguido da Selic, o quarto de meio ponto. A última vez que a taxa chegou a este patamar foi entre setembro de 2008 e janeiro de 2009, antes de sofrer cortes motivados pelos efeitos recessivos da crise internacional (veja o histórico).

A ata será divulgada na próxima quinta-feira, 07 de maio, e o próximo encontro está marcado para os dias 02 e 03 de junho.

Cenário

A inflação no Brasil medida pelo IPCA foi para 1,32% em março, levando o acumulado de 12 meses para 8,13% - o mais elevado desde dezembro de 2003.

2015 também já tem a maior taxa acumulada para um primeiro trimestre (3,83%) desde 2003, quando ficou em 5,13% no mesmo período.

A última projeção do Boletim Focus é que a inflação chegue a 8,25% no final deste ano, estourando de longe o teto da meta definida pelo governo.

O Focus também prevê que a Selic vá subir mais 0,25 ponto percentual em junho e ficar parada até sofrer um corte em novembro, terminando o ano em 13,25%, o patamar atual.

Quando o Copom aumenta os juros, encarece o crédito e estimula a poupança, o que faz com que a demanda seja contida e faça menos pressão sobre a atividade e os preços. Cortar os juros causa o efeito contrário.

Na maior parte do mundo industrializado, o cenário é bem diferente, com juros próximos de zero e risco até de queda de preços.

Rodrigo Sanches/EXAME.com

Fonte: João Pedro Caleiro, de EXAME.com