Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Dilma tem em mãos pacote de R$ 50 bi

 


 

A presidente Dilma Rousseff já recebeu de sua equipe as medidas legais do pacote fiscal destinado a reequilibrar as contas públicas em 2015, que podem gerar um ajuste próximo de 1% do PIB (Produto Interno Bruto) --cerca de R$ 50 bilhões, segundo a Folha apurou.

Este montante do ajuste inclui aumento de receitas e corte de despesas do governo que serão implementados por medidas provisórias, decretos presidenciais e emendas constitucionais.

Os textos legais do pacote foram entregues à presidente na quarta-feira (10) e, segundo assessores, estão praticamente prontos para divulgação. A data do anúncio vai depender de decisão presidencial e deve ocorrer antes do final do ano.

Em uma segunda etapa, a nova equipe econômica de Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento) também vai definir o tamanho do bloqueio de verbas do Orçamento de 2015, que pode superar R$ 50 bilhões.

Um assessor disse à Folha que, depois de o Palácio do Planalto definir o tamanho exato das duas medidas, o valor final do ajuste nas contas públicas poderá chegar à casa dos R$ 100 bilhões.

Um técnico disse que o valor do bloqueio orçamentário será definido depois de o Congresso aprovar o Orçamento de 2015 e dependerá de quanto o governo conseguirá aprovar de aumento de receitas e reduções de despesas.

Em 2011, primeiro ano de mandato da presidente Dilma, o ministro Guido Mantega (Fazenda) fez um bloqueio de verbas do Orçamento de R$ 55 bilhões.

A medida foi tomada porque a petista assumiu num momento de inflação em alta e crescimento de gastos do governo, cenário semelhante ao atual.

Naquele ano, o governo federal conseguiu fechar o ano com uma economia de gastos para pagamento da dívida pública (o chamado superavit primário) de 2,25% do PIB (Produto Interno Bruto).

Neste ano, diante do aumento de gastos da União, o governo corre o risco de ter deficit primário. Ou seja, não conseguirá economizar para pagar os juros de sua dívida.

Para 2015, Joaquim Levy e Nelson Barbosa acertaram com a presidente uma meta de superavit de 1,2% do PIB, equivalente a R$ 66,3 bilhões para todo setor público, ou de 1% para a União.


Medidas

Entre as medidas para aumentar a receita da União, a equipe presidencial fechou um cardápio para Dilma analisar que inclui a volta da cobrança da Cide (contribuição para regular o preço de combustíveis), zerada em 2012 para evitar aumentos no preço da gasolina e do diesel.

Estão ainda na lista, que depende de decisão final da presidente, o aumento da alíquota do PIS/Cofins sobre importados e mudanças na tributação de cosméticos.

As duas medidas podem gerar uma receita extra de R$ 5 bilhões. A da Cide depende do valor que será definido para a volta do tributo.

Entre as despesas, o governo vai tomar medidas para cortar gastos com seguro-desemprego, abono salarial e pensão por morte.

Fonte: Valdo Cruz - Folha de S. Paulo