Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,62%

    75.531,06

  • 21/09/2017 14h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,18%

    R$ 3,135

  • 21/09/2017 14h00
    UOL

AÇÚCAR INTERNACIONAL

  • Variação

    Valor

  • 0.14%

    14.68 USd/lb.

  • 21/09/2017 14h00
    Bloomberg

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,61%

    R$ 52,65

  • 21/09/2017 14h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,55%

    R$ 1,4355/L

  • 21/09/2017 14h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,97%

    R$ 1,5837/L

  • 21/09/2017 14h00
    CEPEA

Economia inicia 2º tri com queda pior do que esperado

 

São Paulo - A economia brasileira iniciou o segundo trimestre com contração pior do que o esperado, indicou o Banco Central nesta sexta-feira, reforçando a perspectiva de recessão diante do cenário de debilidade da indústria e da fragilidade do comércio varejista.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), caiu 0,84 por cento em abril sobre março, segundo dados dessazonalizados.

O resultado de abril do IBC-Br foi bem pior do que a mediana das expectativas em pesquisa da Reuters, de recuo de 0,40 por cento.

E para piorar o cenário, o BC revisou para uma queda de 1,51 por cento o resultado de março sobre o mês anterior, segundo números dessazonalizados, contra recuo de 1,07 por cento divulgado antes.

Na comparação com abril de 2014, o tombo foi de 3,29 por cento, acumulando recuo de 2,48 por cento no ano e de 1,38 por cento em 12 meses, sempre em números dessazonalizados.

A atividade econômica brasileira vem mostrando fragilidade de forma disseminada entre seus setores.

Enquanto as vendas do varejo recuaram 0,4 por cento em abril sobre março, na pior marca para o mês em 12 anos e bem abaixo das expectativas do mercado, a produção industrial brasileira caiu 1,2 por cento, no terceiro resultado mensal negativo.

No primeiro trimestre, a economia brasileira encolheu 0,2 por cento ante os últimos três meses do ano passado, com os investimentos caindo novamente e registrando a maior sequência negativa da série histórica.

Os números têm como pano de fundo um cenário econômico marcado por ajuste fiscal, juros e inflação em alta, deterioração do mercado de trabalho e da confiança do consumidor.

Diante desse horizonte, economistas de instituições financeiras vêm sucessivamente piorando sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano.

A pesquisa Focus mais recente aponta para retração de 1,35 por cento do PIB em 2015, na pior leitura para a atividade em 25 anos e no primeiro resultado negativo desde 2009.

A isso soma-se a perspectiva de inflação de quase 9 por cento.

O IBC-Br incorpora projeções para a produção no setor de serviços, indústria e agropecuária, bem como o impacto dos impostos sobre os produtos.

Fonte: Camila Moreira, da REUTERS