Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,44%

    74.157,38

  • 25/11/2017 06h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,31%

    R$ 3,232

  • 25/11/2017 06h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 15,43%

    R$ 66,81

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,24%

    R$ 1,6810/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,21%

    R$ 1,8324/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

Economia mundial vai crescer 3% em 2014, assim como a do Brasil, diz ONU

 

Nações Unidas, 18 dez (EFE).- O PIB mundial crescerá 3% em 2014 e 3,3% em 2015, de acordo com a antecipação de um novo relatório das Nações Unidas divulgado nesta quarta-feira. O documento também alerta que uma das "ameaças" para a economia mundial seria o fim "abrupto" dos estímulos monetários nos Estados Unidos.

"O Produto Interno Bruto mundial teve um crescimento baixo em 2013, mas certas melhoras no último trimestre nos levaram a elevar nossa previsão para os próximos dois anos", garantiram os especialistas das Nações Unidas ao antecipar seu relatório "Situação e perspectivas da economia mundial em 2014".

A versão definitiva do relatório será publicada em janeiro pela ONU (Organização das Nações Unidas).


Segundo os analistas do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU (Desa, na sigla em inglês), o fim da "prolongada recessão" na zona do euro e a melhoria do crescimento nos Estados Unidos, assim como a capacidade de Índia e China de "conter" a desaceleração dos últimos dois anos justificaram a elevação de suas estimativas para 2014.

No caso dos Estados Unidos, a ONU espera um crescimento de 2,5% em 2014, enquanto para a Europa Ocidental os índices continuam "baixos", em torno de 1,5%.

Brasil deve crescer 3% em 2014, estima ONU; China avança 7,5%

Quanto às economias dos países em desenvolvimento e em transição, os especialistas esperam um índice de crescimento de 3% para o Brasil, de 5% para a Índia e de 2,9% para a Rússia, enquanto a China deverá manter os 7,5% "nos próximos anos".

O estudo considera os principais "riscos" e "incertezas" que ameaçam a economia mundial, entre os quais se destacam a política monetária dos Estados Unidos e as batalhas políticas nesse país em torno do teto da dívida, assim como a "fragilidade" do sistema bancário na zona do euro.

Os especialistas asseguram que um final "abrupto" dos estímulos monetários do Banco Central americano (Fed) seria uma "ameaça" para a economia mundial, já que poderiam levar a um aumento das taxas de juros em longo prazo nos países desenvolvidos e em desenvolvimento.

As Nações Unidas advertiram, inclusive, sobre o impacto de uma redução desses programas de expansão quantitativa, e mencionaram "vendas maciças" nos mercados mundiais, uma "queda pronunciada" dos fluxos de capital para as economias emergentes e uma disparada nas premiações de risco.

Fonte: UOL Economia / EFE Emilio López Romero