Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 19/09/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,02%

    R$ 3,136

  • 19/09/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR INTERNACIONAL

  • Variação

    Valor

  • 3.69%

    14.37 USd/lb.

  • 19/09/2017 22h00
    Bloomberg

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,17%

    R$ 52,42

  • 19/09/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,55%

    R$ 1,4355/L

  • 19/09/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,97%

    R$ 1,5837/L

  • 19/09/2017 22h00
    CEPEA

Economia segue estagnada e inflação baixa é temporária, dizem analistas

 

Apesar da inflação em baixa em julho e agosto, o IPCA tende a fechar 2014 muito próximo do teto da meta do governo (6,5%) e, nas projeções, a economia caminha para fechar o ano com um crescimento entre 0,6% e 0,8%, segundo analistas.

Se confirmada, será a menor marca desde 2009, auge da crise global, quando o PIB brasileiro caiu 0,3%.

Nesse contexto, analistas dizem que as taxas mais baixas em julho e agosto não mudam o cenário de inflação elevada e crescimento muito baixo. É esperada uma queda do PIB na faixa de 0,5% do PIB no segundo trimestre frente aos primeiros três meses do ano.

Para especialistas, o IPCA de julho de 0,01% foi apenas um "soluço" e calcado na forte deflação de alimentos.

O IPCA-15, considerado a prévia do índice oficial da inflação, foi divulgado nesta quarta-feira (20) e mostra desaceleração da alta de preços em agosto. O resultado para o mês foi de 0,14%, percentual ligeiramente inferior ao 0,17% verificado em julho.

O acumulado em 12 meses do IPCA-15 foi de 6,49%, flertando com o topo da meta. Em junho, o resultado era de 6,51%, pouco acima do limite máximo para a inflação.

A prévia do índice oficial de inflação (o IPCA-15) já mostrou desaceleração e ficou em 0,14% em agosto. O acumulado em 12 meses do IPCA-15 foi de 6,49%, flertando com o topo da meta. Em junho, o resultado era de 6,51%, pouco acima do limite máximo para a inflação.

Analistas esperam para o terceiro trimestre, a partir de dados preliminares, uma ligeira reação e um crescimento em torno de 0,5%, que só faz compensar a perda dos três meses anteriores.

"O efeito Copa [menos dias úteis afetando comércio e indústria] foi bem forte no segundo trimestre e isso tende a diminuir bem agora [no terceiro trimestre]. Mesmo assim, temos a impressão de que é uma retomada ainda frágil. Ou seja, mantém a impressão de economia estagnada que vemos desde o terceiro trimestre do ano passado", diz Sérgio Vale, economista-chefe da consultoria MB Associados.

Vale se refere à alternância, desde então, de altas pouco expressivas com retrações do PIB. No terceiro trimestre de 2013, houve queda de 0,3%. No quarto, alta de 0,4%. Nos três primeiros meses deste ano, expansão de apenas 0,2%. Para o segundo trimestre, é consenso uma contração da ordem de 0,5%.

Na visão de Vale, o recuo estimado para o segundo trimestre deste ano confirma um quadro de estagnação da economia, ainda com inflação elevada. O economista prevê alta do IPCA em torno de 6,5% neste ano e aceleração das taxas com mais intensidade a partir de setembro.

É que a deflação dos alimentos (queda de 0,32% no IPCA de agosto) perderá força no IPCA fechado de agosto (que pega a segunda quinzena deste mês) e os preços tendem a voltar a subir mais perto do final deste semestre.

Além dos alimentos -que compensaram a alta da energia elétrica (4,25%)-, viu-se na prévia de agosto o fim da pressão de preços que subiram por conta da Copa do Mundo. Um exemplo é a forte retração de 23,54% de hotéis.

Serviços

Para Adriana Molinari, economista da Tendências Consultoria, a desaceleração dos preços de serviços -com menor pressão da alimentação fora de casa, de hotéis, passagens aéreas, entre outros- já indica que as famílias reduziram o consumo diante do esfriamento da economia.

Com a menor demanda e sem a movimento extra gerado pela Copa do Mundo para alguns ramos (alojamento, bares, restaurantes, pacotes de turismo e outros), os prestadores de serviços tiveram menos espaço para subir suas tabelas.

Os serviços, no IPCA-15, subiram 0,97% em junho. A taxa baixou para 0,50% em julho. Cedeu ainda mais em agosto: 0,23%.

"Esse é um dado que chama muito a atenção. Já observamos algum arrefecimento dos serviços, o que já reflete demanda mais fraca e a piora do nível de atividade da economia", diz Molinari.

Tal deterioração do ritmo da economia aparece nos números mais recentes das pesquisas de comércio, indústria e serviços, que desaceleraram com força ou recuaram.

A economista também prevê uma aceleração da inflação nos próximos meses e uma taxa de 6,3% neste ano. Analistas não descartam totalmente o estouro do teto da meta e o maior risco são os reajustes de energia que não foram ainda autorizados pela Aneel.

Pedro Soares

Fonte: Folha Online