Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Em Brasília, setor define conjunto de propostas para retomada

 

Em reunião realizada nesta quarta-feira, 12 de março, em Brasília, DF, representantes do Fórum Nacional Sucroenergético, assim como, da Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético, definiram um conjunto de propostas para que o setor se recupere.

Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura, também participou do encontro e expôs os desafios para a produção de etanol no Brasil. Entre os pontos colocados como fundamentais para a retomada do segmento estão a volta da Cide – Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico sobre a gasolina; o aumento da mistura de etanol anidro na gasolina em até 27,5%; melhoria da eficiência do motor flex e a intensificação do uso de bioeletricidade gerada a partir da palha e do bagaço da cana-de-açúcar.

Roberto Hollanda Filho, presidente da Biosul – Associação dos Produtores de Bionergia de Mato Grosso do Sul, fala sobre o atual momento. “Nossa crise é evidente e estamos levando esses problemas aos parlamentares. O país perde muito com a crise do setor. É uma insensibilidade do governo permitir chegar a este ponto. Precisamos de uma definição urgente”.

Já André Rocha, presidente do Fórum Nacional Sucroenergético, acredita que, além da volta da Cide, melhorar a eficiência dos motores flex seria fundamental para o setor. Ele aponta que as primeiras ações neste sentido já começaram. “Primeiro, será formada uma comissão entre o setor e a Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, com acompanhamento do governo através do Inmetro, para poder fazer alguns testes sobre o tema. Depois, será preciso uma alteração na lei e o terceiro passo, será analisar a capacidade de produção do setor. Com estes procedimentos, o governo pode tomar a decisão. Estamos otimistas com relação a análise técnica. Vamos aguardar”, afirma.

Fonte: Jornal Cana - André Ricci - 14/03/2014