Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Em São Paulo, setor sucroenergético encaminha proposta para reduzir ICMS

 

Para tentar equilibrar as contas do segmento sucroenergético, o setor produtivo de etanol solicitou ao governo de São Paulo que reduza de 12% para 7% a alíquota do ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços do álcool hidratado vendido nos postos. 

A informação é do jornal “O Estado de S. Paulo”, que por meio do serviço em tempo real da Agência Estado, teve acesso a detalhes do documento enviado. Neste, consta um estudo elaborado pela Fipe - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas a pedido da Unica - União da Indústria de Cana-de-Açúcar, que aponta que seriam gerados de 4,2 mil a mais de 7 mil empregos diretos e indiretos com a recuperação do setor.  "É um crescimento que pode gerar mais de 11 mil novos postos de trabalho no estado, com benefícios adicionais para a indústria de bens de capital que abastece o setor sucroenergético, quase toda ela instalada no Estado de São Paulo e hoje enfrentando uma ociosidade de 50%,” afirma Elizabeth Farina, presidente da Unica.

O corte no ICMS produziria uma perda máxima de arrecadação para o estado estimada em R$190 milhões anuais, valor inferior ao dos ganhos econômicos e sociais que seriam obtidos. Esse cálculo parte do pressuposto que não haveria incremento no ICMS cobrado sobre a gasolina, hoje de 25%. O estudo oferece diversas alternativas ao governo, entre elas pequenos incrementos na tributação sobre o combustível fóssil para recuperar eventuais perdas de arrecadação. “O estudo mostra que um pequeno aumento no ICMS sobre a gasolina, de 1,7 pontos percentuais, manteria os ganhos econômicos e sociais e recomporia a arrecadação estadual, com impacto mínimo sobre o preço de bomba e o índice inflacionário, estimado em menos de 0,01%,” explica Farina.

A proposta já passou pela Secretaria da Fazenda e foi encaminhada ao governador Geraldo Alckmin.

Fonte: André Ricci, da Redação do Jornal Cana