Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,44%

    74.157,38

  • 25/11/2017 06h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,31%

    R$ 3,232

  • 25/11/2017 06h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 15,43%

    R$ 66,81

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,24%

    R$ 1,6810/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,21%

    R$ 1,8324/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

Emenda propõe mistura de 30% de anidro na gasolina

 

A Medida Provisória (MP) 647/14, que prevê o aumento de 5% para 7% no percentual de mistura obrigatória de biodiesel ao óleo diesel, ganhou ontem uma emenda propondo também a elevação da mistura de etanol anidro na gasolina, atualmente em 25%. A emenda, incluída pelo deputado federal Milton Monti (PR/SP), propõe a adição de 30% de anidro à gasolina. O argumento é de que esse aumento ajudaria a aplacar a crise enfrentada pelo setor sucroalcooleiro.

Pela emenda, o percentual de 30% seria fixado durante um ano, podendo ser renovado por mais seis meses consecutivos, a depender da necessidade.

Em entrevista ao jornal “O Globo”, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou que o governo quer aumentar a mistura de etanol anidro na gasolina, de 25% para 27,5%, “o mais rápido possível”. Segundo Lobão, o ministério encomendou estudos técnicos ao Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (Cenpes) da Petrobras sobre o impacto da mudança.

Mas há resistências a serem enfrentadas, em especial da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que vê prejuízo dessa elevação aos veículos que são movidos exclusivamente à gasolina.

Em entrevista coletiva realizada ontem pela manhã, o presidente da entidade, Luiz Moan, afirmou que cerca de 40% da frota dos veículos no país ainda é movida somente à gasolina. E que o aumento do percentual acarretaria problemas técnicos a esses veículos, como o desgaste prematuro do motor e a maior emissão de poluentes.

A MP 647, que tramita no Congresso, segundo a Agência Câmara, será analisada em uma comissão mista de deputados e senadores. O parecer aprovado na comissão ainda passará pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado.

Fonte: Valor Econômico