Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +0,51%

    79.752,38

  • 16/01/2018 08h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,12%

    R$ 3,21

  • 16/01/2018 08h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 7,71%

    R$ 61,79

  • 16/01/2018 08h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 1,94%

    R$ 1,8515/L

  • 16/01/2018 08h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,03%

    R$ 1,9476/L

  • 16/01/2018 08h00
    CEPEA

Etanol: setor só será competitivo com Cide, diz CEO da Odebrecht

 

Para o grupo Odebrecht, o setor de etanol é ´enxaqueca´ e petroquímica é ´dor de cabeça´, afirmou o CEO da empresa, Marcelo Odebrecht. Ele traçou um cenário negativo para o etanol, lembrando que o setor deixou de ser competitivo com a retirada de um valor entre 50 e 60 centavos da Contribuição de Intervenção sobre Domínio Econômico (Cide) para cada litro de gasolina. ´O problema do etanol se chama Cide´, destacou.

´Enquanto não tiver Cide, não tem solução para o setor de etanol. Os investimentos só vão voltar quando Cide tiver peso de 50 centavos no litro da gasolina´, destacou. Atualmente, a alíquota da Cide sobre os combustíveis está zerada e, em outros momentos, foi usada para segurar o repasse do aumento de preços para o consumidor final.

Quanto à petroquímica, ele disse que há uma ´espada´ apontada para a cabeça do setor no Brasil em função de alguns fatores, sobretudo a revolução do shale gas nos EUA. ´A petroquímica tem um dos maiores déficits da indústria brasileira. O custo da matéria-prima, nafta ou gás, equivale a 60% da resina termoplástica´, apontou. Ele destacou que no Brasil, se o custo da produção de gás é de um número, por exemplo, ´dez´, com a revolução do shale gas tal despesa de produção cai para ´quatro´, o que impõe desafios importantes para o setor no País, especialmente para melhorar a produtividade, neste contexto de forte competição internacional.

Ele fez os comentários nesta segunda-feira, 03, durante a Conferência de Investimentos da América Latina em 2014, realizada pelo Banco Credit Suisse.

Fonte: Agência Estado