Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Fipe: relação etanol/gasolina fecha junho em 66,07% ante 65,47% em maio

 

A relação entre os preços do etanol e os da gasolina subiu entre o fechamento de maio (65,47%) e o fim de junho, ao atingir 66,07%, de acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O resultado apurado na capital paulista, porém, ficou abaixo da marca psicológica de 70%.

Para especialistas, o uso do etanol deixa de ser vantajoso quando o preço do derivado da cana-de-açúcar representa mais de 70% do valor da gasolina. A vantagem é calculada considerando que o poder calorífico do etanol é de 70% do poder do combustível fóssil. Com a relação entre 70% e 70,5%, é considerada indiferente a utilização de gasolina ou etanol no tanque.

De acordo com o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe, André Chagas, a relação entre os preços dos combustíveis deve se estabilizar na faixa de 66% nas próximas semanas, voltando a acelerar entre agosto ou setembro, quando a atual safra já terá perdido um pouco de ritmo.

Apesar da expectativa de que a equivalência entre o etanol e a gasolina continuará aquém de 70%, no IPC, que mede a inflação na capital paulista, os preços do etanol já voltaram a subir (0,58%), após recuo expressivo de 12,95% em maio. A gasolina, por sua vez, teve variação negativa de 0,46% no IPC de junho, depois de declínio de 1,69% no quinto mês do ano. Com isso, a classe de despesa de Transportes teve alta de 0,09%, na comparação com retração de 0,61% em maio. "O grupo Transportes parou de ajudar a segurar a inflação de junho. Não é que vai disparar, mas deixará de aliviar", disse, Chagas, que espera alta de 0,12% para o grupo no fim de julho. Para o IPC, a previsão da Fipe é que fique em 0,52%, após 0,65% em junho.

 

Fonte: Agência Estado