Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 20/09/2017 10h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,1%

    R$ 3,133

  • 20/09/2017 10h00
    UOL

AÇÚCAR INTERNACIONAL

  • Variação

    Valor

  • 1.53%

    14.59 USd/lb.

  • 20/09/2017 10h00
    Bloomberg

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,17%

    R$ 52,42

  • 20/09/2017 10h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,55%

    R$ 1,4355/L

  • 20/09/2017 10h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,97%

    R$ 1,5837/L

  • 20/09/2017 10h00
    CEPEA

Gasolina mantém vantagem sobre etanol

 

São Paulo - O reajuste de 4% no preço da gasolina nas refinarias, anunciado na última sexta-feira, 29 de novembro, pela Petrobras, é insuficiente para tornar o etanol competitivo na maioria dos Estados brasileiros.

Se o preço do combustível subir na mesma proporção na bomba, ainda assim será mais vantajoso para o motorista abastecer com gasolina do que com etanol em 20 Estados e no Distrito Federal, aponta levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo, com base em dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Hoje abastecer com etanol é vantajoso apenas em quatro Estados brasileiros - São Paulo, Goiás, Mato Grosso e Paraná-, segundo dados da ANP que indicam os preços médios de etanol e gasolina nos postos de combustíveis na última semana.

A conta considera que abastecer com etanol só vale a pena quando o valor do combustível custar menos do que 70% do preço cobrado pela gasolina, já que o carro gasta mais litros de etanol para percorrer a mesma distância do que o volume utilizado de gasolina.

Considerando uma média simples dos preços cobrados pelos dois combustíveis em todos os Estados na semana passada, o reajuste da gasolina para tornar o etanol competitivo no País seria de 13,12% na bomba.

O Estado onde o etanol está em maior desvantagem em relação à gasolina é Roraima. Lá o custo médio por litro é de R$ 2,74, ante R$ 3,00 o litro da gasolina. Só valerá a pena abastecer com etanol no Estado se a gasolina subir 30%.

Já no Piauí o reajuste necessário na gasolina para motivar o consumidor a abastecer com etanol seria de 27,76% e, no Amapá e em Sergipe, de 25% e 24%, respectivamente, aponta o levantamento do Estado.

Os Estados onde há a maior possibilidade de o reajuste da gasolina fazer o dono de um carro flex trocar o combustível, hoje mais vantajoso, pelo etanol são Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Nestes Estados, basta um aumento de aproximadamente 1,3% no preço da gasolina para o etanol ser mais competitivo, segundo cálculos do Estado.

Subsídio

Os usineiros atribuíram a perda da competitividade do etanol ao subsídio da gasolina pela Petrobras, que vende no Brasil o combustível abaixo dos preços internacionais.

A diferença entre o valor pago para importar gasolina e o valor recebido para vender o combustível no Brasil sai do caixa da própria Petrobras e levou a uma corrosão do resultado financeiro da estatal. A prática faz parte de uma tentativa do governo de segurar a inflação.

Como a maioria da frota brasileira é flex, o subsídio à gasolina tem impacto direto na demanda por etanol. O setor está há anos sem investir em novas usinas e cerca de 10% das 400 unidades existentes estão paradas, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Para a Unica, o reajuste de 4% na gasolina, anunciado na sexta-feira, "poderia significar uma leve e pontual melhora na competitividade do etanol".

A entidade, no entanto, ressaltou, em comunicado, que o reajuste de 8% no diesel, também anunciado na sexta-feira, "elimina qualquer benefício em potencial para o etanol que o aumento da gasolina pudesse produzir".

O diesel é um dos insumos mais importantes para a produção de etanol, já que a colheita e a atividade nas usinas são processos mecanizados e abastecidos com diesel. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Marina Gazzoni, do