Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 20/09/2017 10h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,1%

    R$ 3,133

  • 20/09/2017 10h00
    UOL

AÇÚCAR INTERNACIONAL

  • Variação

    Valor

  • 1.53%

    14.59 USd/lb.

  • 20/09/2017 10h00
    Bloomberg

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,17%

    R$ 52,42

  • 20/09/2017 10h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,55%

    R$ 1,4355/L

  • 20/09/2017 10h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,97%

    R$ 1,5837/L

  • 20/09/2017 10h00
    CEPEA

Gasolina sobe hoje 3% nas refinarias

 

Onze dias após as eleições, a Petrobras anunciou um reajuste de 3% no preço da gasolina e de 5% no do diesel nas refinarias. O aumento está em vigor desde a 0h desta sexta-feira (7).

O aumento vinha sendo defendido por especialistas do setor havia vários meses e chegou a ser tema de campanha –até recentemente, a Petrobras vendia no mercado interno combustível por preço menor que o pago pelo produto importado.

A alta, no entanto, não deve ser suficiente para a Petrobras recuperar o prejuízo dos últimos anos com a defasagem dos preços –estimado em R$ 60 bilhões, segundo a corretora Gradual.

O reajuste de ontem fora autorizado pelo ministro Guido Mantega (Fazenda) em reunião do Conselho de Administração da empresa, na terça. Mantega é presidente do conselho. Na ocasião, não houve acerto sobre o preço.

A Folha apurou que a presidente da Petrobras, Graça Foster, havia feito, no encontro, uma apresentação que trazia o percentual de 8%.

Segundo o governo, o reajuste menor –chamado internamente de “simbólico”– deve evitar que a inflação estoure o teto da meta em 2014.

A consultoria Gradual estima que o reajuste terá um impacto de 0,11 ponto percentual na inflação do ano e passou a prever um IPCA de 6,46% em 2014 –índice próximo do teto da meta, de 6,5%.

O aumento, segundo interlocutores do governo, também serve para sinalizar ao mercado um desejo de fortalecer a Petrobras e praticar uma política de preços mais realista no segundo mandato.

Além das dificuldades de caixa provocadas pela defasagem de preços, a Petrobras tem sua imagem prejudicada pelo escândalo revelado pela Operação Lavo Jato.

As ações preferenciais, as mais negociadas, acumulam queda de 17,7% no ano.

Segundo Adriano Pires, presidente do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), para a Petrobras reverter o prejuízo acumulado ao longo deste ano com a defasagem de preços, os reajustes precisariam ter sido de 20% para a gasolina e para o diesel.

Nas últimas semanas, com a queda do petróleo no mercado internacional, a defasagem foi zerada.

De acordo com Pires, após o reajuste, a gasolina deve ficar 3% mais cara no Brasil do que no golfo americano, enquanto o diesel fica com preço equivalente.

Na bomba

O preço nas bombas, que é livre, deverá ser reajusta- do à medida que novos estoques de combustível cheguem aos postos.

O presidente do Sincopetro (sindicato dos postos), José Alberto Gouveia, estima que o repasse para o consumidor fique “um pouco abaixo” do reajuste aplicado nas refinarias.

“No aumento anterior, que foi de 4% [em 29 de novembro de 2013], o repasse na bomba foi de cerca de 3%.”

Fonte: Folha de S. Paulo