Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 72.123,41

  • 21/06/2018 10h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,66%

    R$ 3,758

  • 21/06/2018 10h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 2,98%

    R$ 57,39

  • 21/06/2018 10h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 2,80%

    R$ 1,6491/L

  • 21/06/2018 10h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,17%

    R$ 1,8333/L

  • 21/06/2018 10h00
    CEPEA

Governo não definiu medidas após taxação pelos EUA, diz Meirelles

 

 
Cuiabá – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira que o governo ainda não definiu quais medidas tomará após os Estados Unidos taxarem a importação de aço e alumínio, mas classificou a investida como “negativa”.
 
Falando a jornalistas após participar de evento em Cuiabá, no Mato Grosso, Meirelles voltou a defender a importância de um comércio livre e avaliou que a indústria e população norte-americana serão atingidas com a elevação das alíquotas.
 
No fim da tarde desta segunda-feira, Meirelles se encontra com o diretor-geral da Organização Mundial de Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, e a expectativa é que tratem do assunto.
 
Na semana passada, o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, impôs tarifas de 25 por cento sobre importações de aço e de 10 por cento sobre importações de alumínio, mas isentou Canadá e México, recuando de promessas anteriores de taxação sobre todos os países.
 
O governo brasileiro ainda tenta entender a extensão do efeito que as medidas norte-americanas podem ter para o país, mas já considera medidas de retaliação, disse à Reuters uma alta fonte do Itamaraty.
 
A respeito da chance de novos cortes na taxa básica de juros, a Selic, o ministro afirmou que o Banco Central poderá ou não fazê-lo na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em 21 de março. Disse também que o governo está contendo despesas, o que ajuda na redução dos juros.
 
Economistas de instituições financeiras passaram a ver novo corte de 0,25 ponto percentual nos juros básicos na reunião do BC na próxima semana, segundo pesquisa Focus do BC, diante da persistente fraqueza da inflação. Se confirmado, o passo levará a Selic para a nova mínima histórica de 6,5 por cento.
 
 
Fonte: exame