Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +0,51%

    79.752,38

  • 16/01/2018 08h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,12%

    R$ 3,21

  • 16/01/2018 08h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 7,71%

    R$ 61,79

  • 16/01/2018 08h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 1,94%

    R$ 1,8515/L

  • 16/01/2018 08h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,03%

    R$ 1,9476/L

  • 16/01/2018 08h00
    CEPEA

Governo pesquisa impacto de mais etanol na gasolina

 

São Paulo - O diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Ricardo Dornelles, revelou nesta segunda-feira, 24, ao Broadcast, serviço de informações da Agência Estado, que o governo está realizando pesquisas próprias para avaliar o impacto do aumento da mistura de etanol anidro na gasolina, dos atuais 25% para 27,5%.

Segundo ele, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) já comunicou que a medida prejudicaria o rendimento dos motores.

O governo avalia, porém, que é preciso uma análise ainda mais técnica para se tomar uma decisão sobre o assunto. "Precisamos de uma resposta técnica", afirmou minutos antes do início do evento Sugar&Ethanol, que é realizado em São Paulo.

Conforme Dornelles, as pesquisas do governo estão a cargo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que está conversando com a indústria sucroalcooleira e outros técnicos. Ainda não há previsão de quando as análises do governo serão concluídas, complementou.

A proposta de aumentar o limite máximo de mistura de etanol anidro na gasolina, de 25% para 27,5%, foi levada ao governo pela cadeia produtiva em janeiro. A princípio, o governo viu a medida com bons olhos, pois isso diminuiria o volume de importação de gasolina e, consequentemente, traria alguma vantagem ao caixa da Petrobras.

Para o setor, uma mistura de 27,5% contribuiria para o escoamento de produção, principalmente em um ano em que os Estados Unidos devem importar menos biocombustível.

Fonte: José Roberto Gomes, do