Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 83.081,88

  • 21/05/2018 10h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,87%

    R$ 3,707

  • 21/05/2018 10h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 2,72%

    R$ 53,61

  • 21/05/2018 10h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 6,76%

    R$ 1,6210/L

  • 21/05/2018 10h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 5,48%

    R$ 1,7421/L

  • 21/05/2018 10h00
    CEPEA

Kátia diz que anunciará nova mistura de etanol em fevereiro

 

Brasília - O aumento na mistura de etanol à gasolina deverá ser anunciado pelo governo federal na primeira semana de fevereiro e entrará em vigor 90 dias depois, dando fim a um longo debate entre poder público e diferentes setores industriais sobre o assunto, disse nesta quinta-feira a ministra da Agricultura, Kátia Abreu.

"Essa decisão deve ser tomada pelo governo na primeira semana de fevereiro. Isso deu um fôlego e deu uma acalmada no setor", declarou a ministra, em entrevista à imprensa internacional, afirmando que o novo percentual ainda não foi decidido.

A mistura de etanol anidro à gasolina está atualmente fixada em 25 por cento.

Em setembro do ano passado, a presidente Dilma Rousseff sancionou lei que prevê que o Executivo eleve a mistura do etanol na gasolina até o limite de 27,5 por cento, desde constatada sua viabilidade técnica, ou reduzi-la a 18 por cento.

À época, a medida não foi bem recebida pela entidade que representa a indústria automobilística, Anfavea, argumentando que boa parte da frota ainda utiliza apenas gasolina no Brasil, e não estaria tecnicamente preparada para a mudança.

No entanto, a mudança é vista pela indústria sucroalcooleira como forma de aliviar a crise vivida pelo setor. Uma fonte governamental afirmou à Reuters, em outubro, que veículos movidos com combustível com mistura de 27,5 por cento de etanol passaram em testes de desempenho encomendados pelo governo.

Para a ministra, o setor sucroalcooleiro está "bastante deprimido" e reconheceu que a volta da cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), anunciada nesta semana, e o aumento da mistura do etanol na gasolina são importantes, mas que "de fato não são suficientes" e que o setor precisará de um arranjo mais "sustentável".

Ela afirmou ainda que o alívio ao setor em função dessas medidas é importante também para o planejamento do etanol como matriz energética.