Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Odebrecht corta investimento em 50% no setor de etanol

 

A Odebrecht Agroindustrial cortou pela metade seu investimento anual no cultivo de cana-de-açúcar e na produção de etanol, energia elétrica e açúcar – de R$ 1 bilhão, para R$ 500 milhões – pela falta de perspectiva de uma melhora no setor, disse o vice-presidente de Relações Institucionais da companhia, Amaury Pekelman. “A companhia acreditou que seria um grande negócio quando decidiu pelos investimentos, já que à época (ainda na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva) o governo passava uma previsibilidade boa ao setor”, disse. “Mas hoje estamos sem perspectiva alguma”, completou Pekelman.

Segundo ele, os investimentos anuais agora são destinados ao plantio na renovação de canavial e ao aumento da produtividade agrícola industrial para que a Odebrecht Agroindustrial atinja pelo menos a capacidade máxima de moagem nas suas nove usinas. O processamento deve chegar a 25 milhões de toneladas de cana por safra, enquanto a capacidade máxima declarada pela companhia é de 40 milhões de toneladas.

Qualquer investimento em novos projetos está afastado. Outra ação tomada para conter custos foi a redução do quadro de funcionários da companhia, segundo o executivo. Um dos maiores grupos do setor sucroenergético, a Odebrecht Agroindustrial destina ao etanol 85% da matéria-prima processada, com uma capacidade de produção de 3 bilhões de litros do combustível por safra, a maior do País.

Pekelman afirmou esperar que o novo governo da presidente Dilma Rousseff “tenha uma cara nova” e amplie o diálogo com o setor sucroenergético. Entre os pleitos estão o retorno da Contribuição e Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre a gasolina, que daria maior competitividade ao etanol, e, principalmente, no caso da Odebrecht Agroindustrial, a devolução de créditos de PIS/Cofins sobre investimentos feitos pelo setor.

A companhia estima ter cerca de R$ 500 milhões em créditos retidos de PIS/Cofins pelo governo, ou mais de 40% do total de R$ 1,2 bilhão que todo o setor sucroenergético tem a receber do governo. “A Odebrechet foi a que mais investiu no período calculado para os créditos e poderia ampliar os investimentos se esse valor fosse devolvido”, concluiu o vice-presidente da companhia.

Fonte: O Estado de S. Paulo