Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Odebrecht fará 'ajuste' na área de etanol

 

O presidente do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou que a companhia estuda "desmobilizar" algumas de suas usinas de cana-de-açúcar para extrair mais valor dos negócios no segmento sucroalcooleiro, concentrados na subsidiária Odebrecht Agroindustrial.

Ao Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor, o empresário disse que a diferença entre o volume processado de cana e a capacidade instalada das usinas da empresa é superior a 10 milhões de toneladas e que um ajuste deverá ser realizado em busca de um melhor equilíbrio.

A moagem efetiva de cana das nove unidades do grupo foi de 22,5 milhões de toneladas na safra 2013/14, encerrada em 31 de março. Isso significou uma ociosidade de 12,5 milhões de toneladas frente à capacidade industrial instalada, da ordem de 35 milhões de toneladas. "Estamos estudando como faremos esse ajuste. Mas não estou dizendo que vamos vender o negócio", enfatizou o empresário.
Ele afirmou, ainda, que não sabe que usinas poderão deixar de operar - se as de São Paulo, as de Goiás ou a de Mato Grosso do Sul. Mas afirmou que uma primeira medida já está sendo tomada, que é a desaceleração do ritmo de aumento de canaviais. "Estamos expandindo áreas de cana num ritmo menor".
O empresário disse não saber ainda quando esse replanejamento do braço sucroalcooleiro estará concluído. Tudo vai depender, segundo ele, de como o governo vai se posicionar diante das demandas do segmento. "Sou um otimista. Alguma medida deve ser tomada".
Para Odebrecht, a solução para o retorno da rentabilidade da produção de etanol está na volta da cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) na gasolina. "Basicamente, é isso que tem que ser feito", avalia.
Segundo ele, o etanol hidratado (usado diretamente nos tanques dos veículos) não tem condições de competir com a gasolina sem o retorno da Cide no combustível fóssil - zerada em 2012 para compensar a alta da gasolina na refinaria.
Com uma receita líquida de R$ 2 bilhões no exercício encerrado em 31 de março de 2013, a Odebrecht Agroindustrial registrou, no mesmo período, um prejuízo líquido atribuível aos acionistas controladores de R$ 1,241 bilhão, ante perda líquida de R$ 753 milhões no ano-fiscal anterior.
Quando foi criada, a Odebrecht Agroindustrial, antes denominada ETH Bioenergia, tinha a ambição de se tornar a maior produtora de etanol do Brasil. Em 2009, a empresa comprou as usinas da antiga Brenco, do ex-presidente da Petrobras Philippe Reichstul. Com um plano agressivo de investimentos, registrava, no ano passado, uma dívida bancária superior a R$ 10 bilhões.
O plano era atingir uma moagem de 40 milhões de toneladas de cana, produzir 3 bilhões de litros de etanol, 700 mil toneladas de açúcar, 2,7 mil gigawatts/hora de energia elétrica e por ano (Valor, 7/5/14)

Fonte: Valor Econômico