Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ONS reduz previsão de chuvas e eleva estimativa de carga

 

São Paulo - O Operador Nacional do Sistema (ONS) divulgou nesta sexta-feira previsões oficiais para a situação de energia elétrica do país em que estima que o nível de represas de hidrelétricas Sudeste cairá para 15 por cento no fim de novembro. A previsão na semana passada era de 15,5 por cento.

Ao mesmo tempo, o ONS prevê que as chuvas no Sudeste deverão ficar a 69 por cento da média histórica no próximo mês, numa redução ante o nível estimado na semana passada, de 74 por cento. Os dados constam do relatório Programa Mensal de Operação (PMO).

Já sobre o consumo de carga de energia na região, a expectativa do ONS é de que subirá 2,3 por cento, numa expansão em relação aos 1,8 por cento previsto em relatório divulgado na sexta-feira passada.

Para o Nordeste, a expectativa para o fim do mês é de chuvas a 38 por cento da média histórica de novembro, represas a 11,5 por cento e consumo de carga avançando 4,7 por cento.

Segundo a expectativa do ONS, a previsão de carga no Sistema Interligado Nacional (SIN) do país é de crescimento de 2,9 por cento no final de novembro ante estimativa da semana passada de aumento de 2,6 por cento.

Atualmente, o nível das hidrelétricas do Sudeste é pior que o registrado ao final de outubro de 2000, ano pré-racionamento, e especialistas do setor têm alertado que há grande risco de racionamento em 2015 se não chover perto das médias históricas durante o período úmido.

Apesar disso, o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, reiterou mais cedo que não há risco de racionamento de energia no país.

Na quarta-feira, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) elevou para 5 por cento o risco de déficit de energia em 2015 no Sudeste e Centro-Oeste do país, atingindo assim o risco máximo tolerável no sistema. No mês passado, o CMSE estimava esse risco em 4,7 por cento.

Fonte: REUTERS