Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Operador Nacional do Sistema Elétrico divulga projeções para nível de reservatórios

 

SÃO PAULO - Em mais uma indicação de que o despacho termoelétrico deverá ser intenso ao longo do ano, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) projetou que o nível dos reservatórios das usinas das Regiões Sudeste e Centro-Oeste deve encerrar novembro em 58,5% da capacidade. Segundo o operador, os reservatórios podem alcançar esse patamar de armazenamento se o despacho pleno das térmicas for mantido ao longo do ano e se o fluxo de água (energia natural afluente) para as hidrelétricas for de 94% da média histórica, o que depende das chuvas.

As informações constam na ata do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) de 6 de fevereiro, que foi divulgada na tarde desta segunda-feira pelo Ministério de Minas e Energia (MME). Na hipótese de despacho termoelétrico pleno até abril deste ano e só a manutenção da geração térmica do grupo GT1A (composto por usinas nucleares, a gás e a carvão que podem entrar em operação imediatamente), o nível de armazenamento dos reservatórios das duas Regiões recuaria para 50% - vale lembrar que a situação do Sudeste/Centro-Oeste é fundamental para o setor elétrico por concentrar mais de 70% da capacidade de armazenamento do sistema elétrico.

Um pouco mais crítica é a situação das hidrelétricas do Nordeste. Considerando o despacho termelétrico a plena capacidade até novembro e uma energia natural afluente de 87%, o nível dos reservatórios no fim do período seria de 46,6%. Já se as térmicas operassem a plena carga até abril e se só fossem mantidas ligadas as usinas do grupo GT1A, o nível de armazenamento cairia para 35,6%. Novembro é um mês importante para o setor elétrico, porque é nessa data que tem o início período de chuvas no País. As simulações do ONS consideram a entrada da primeira linha de transmissão das usinas do Rio Madeira (RO) em 1º maio deste ano.

O operador também simulou as condições do sistema no fim de abril, quando se encerra o período úmido. Considerando a expansão prevista da geração, a energia natural afluente de 97% para o Sudeste/Centro-Oeste e de 76% para o Nordeste em relação à média histórica, e a manutenção de todas as termelétricas disponíveis no sistema ligadas, o nível de armazenamento das Regiões Sudeste e Centro-Oeste seria de 66,4% e no Nordeste, de 64,9%.

Caso a afluência dos rios fique um pouco abaixo, de 85% da média histórica no Sudeste e Centro-Oeste e de 65% no Nordeste, os níveis de armazenamento no fim de abril seriam de 58% e 56%, respectivamente. O ONS destacou na reunião do CMSE que a entrada em operação da primeira linha de transmissão das usinas do Rio Madeira, que escoará a energia das hidrelétricas Santo Antônio e Jirau, é um reforço fundamental para o Sistema Interligado Nacional (SIN) e justifica todos os esforços para viabilizar a sua operação o quanto antes.

Diante do cenário, os membros do CMSE decidiram manter o despacho pleno da geração térmica das usinas que compõe os grupos GT1A e GT1B (composto pela geração térmica a óleo imediatamente disponível quando comandadas para despacho pelo ONS). 

Fonte: WELLINGTON BAHNEMANN - Agencia Estado