Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Petróleo sobe, com expectativa de freio na produção

 

Londres - Os contratos do petróleo começam a semana em alta, diante da expectativa de que grandes produtores possam chegar a um acordo para congelar a produção, enquanto indicadores econômicos melhores impulsionam a expectativa de aumento na demanda.

 
Às 8h16 (de Brasília), o petróleo WTI para abril subia 1,22%, a US$ 36,36 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para maio avançava 0,90%, a US$ 39,07 o barril na ICE, em Londres.
 
Nesta segunda-feira, o ministro da Energia dos Emirados Árabes disse que os atuais preços forçam todos os produtores a congelar a oferta da commodity.
 
Publicidade
 
"Não faz nenhum sentido para ninguém elevar a produção com os preços atuais", afirmou Suhail al-Mazrouei a repórteres, no intervalo de uma conferência em Abu Dabi. "Isso é uma boa notícia para o equilíbrio do mercado. Nós apenas precisamos ser pacientes."
 
Os preços do petróleo têm avançado nas últimas semanas, após Rússia, Arábia Saudita, Venezuela e Catar anunciarem no mês passado um acordo para congelar a produção nos níveis de janeiro, a fim de apoiar os preços.
 
Isso dependeria, porém, da participação de outros países e o acordo não foi oficialmente concluído. O Irã, por exemplo, rechaçou aderir à iniciativa neste momento. De qualquer modo, o preço do Brent avançou mais de 5% até agora neste ano.
 
"O grande risco é que a reunião se mostre um desapontamento e os preços voltem a cair fortemente na falta de maior progresso", disse o analista Kevin Norrish, do Barclays.
 
Ainda assim, o petróleo recebeu o apoio de outros sinais de recuo na oferta. Na sexta-feira, a Baker Hughes informou que o número de poços e plataformas em atividade nos EUA recuou 8, para 392, no nível mais baixo desde 2009. Esse dado é visto como um indicativo da atividade no setor.
 
A perspectiva para a demanda global por petróleo também melhora. Em fevereiro, os EUA geraram 242 mil empregos e o número de vagas criadas nos dois meses anteriores foi elevado em 30 mil, segundo dados oficiais da sexta-feira.
 
Os números "aumentam as esperanças de que o crescimento, e com isso a demanda por petróleo, esteja aumentando neste enorme país", disse Michael Poulsen, analista de petróleo da Global Risk Management.
 
Nesta semana, o mercado aguarda dados da balança comercial da China em fevereiro, que devem sair na terça-feira. O relatório semanal de estoques de petróleo deve ser divulgado na quarta-feira. 
 
Fonte: Exame