Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Por retomada, setor sucroenergético prepara manifestações

 

As manifestações públicas em busca de apoio do governo para combater a crise do setor sucroenergético estão marcadas. Os protestos nas regiões produtoras acontecem no dia 24 de abril, culminando com uma grande manifestação em Brasília no dia 13 de maio. As ações são contra a política atual, que vem causando prejuízos as usinas, fornecedores de cana e demais agentes da cadeia produtiva. “São atos válidos e democráticos, principalmente quando são ordeiros. Considero-os mais eficazes e com caráter nacional se forem realizados em Brasília”, diz Renato Cunha, presidente do Sindaçúcar, PE.

Os números apontam mais de 40 usinas de cana-de-açúcar fechadas nos últimos anos. Em 15 dias, podemos citar duas, Jardest e Unaçúcar. A primeira, localizada no interior de São Paulo, desestimulará a economia da pacata Jardinópolis, cidade com 40 mil habitantes. Já a segunda, fica em Água Preta, na Zona da Mata Sul, PE, e fará com que cerca de duas mil pessoas fiquem sem emprego. “Precisamos de uma racionalidade tarifaria onde o combustível limpo tenha sua equação de remuneração reconhecida, inclusive, com benefícios do tesouro reconhecendo as externalidades sócio econômicas geradas ao país”, explica Cunha.

Fonte: André Ricci - Jornal Cana