Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Reajuste de combustível na refinaria foi de 32%, diz Dilma

 

São Paulo - A presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) minimizou nesta sexta-feira, 12, a defasagem nos preços da gasolina e da energia elétrica. Durante sabatina promovida pelo jornal O Globo, Dilma afirmou que no seu governo ajustou "o combustível na refinaria em 32%". "O reajuste na bomba é menor. Eu reajustei em termos reais acima da inflação", disse.

A petista destacou que o reajuste do preço internacional do petróleo é extremamente influenciado por fatores políticos. "Vamos ver o que os EUA fazem com o gás e o petróleo. O gás é US$ 4, US$ 4,5. Hoje, no mundo, o preço do gás de xisto está, em alguns lugares, em US$ 14, US$ 15", disse.

"Por que o EUA não vendem de acordo com o mercado internacional?. Eles querem recompor a indústria siderúrgica. Eles queriam recompor indústrias que eles perderam", completou.

Dilma disse ainda que os preços da energia elétrica no País este ano "têm crescido razoavelmente" e que as térmicas "existem não só para a paisagem". "Nos meus quatro anos, eu fiz a mesma quantidade de geração do que Fernando Henrique em oito anos", disse.

Segundo Dilma, o governo tomou providências para que não acontecessem apagões e negou que as empresas elétricas estejam "quebradas".

"Nenhum desses problemas tem a ver com a redução (nas tarifas) do ano passado. Faltou água no Brasil. Tanto que o governo de São Paulo, que não tomou as providências que tomamos, tem um racionamento forte", afirmou.

A presidente disse ainda que "passada a eleição" vai revisitar as empresas "e ver o que aconteceu". "Dizer que estão quebradas é dizer que elas não têm condições de pagar por algo que devem. Elas têm condições. Não estamos sem energia elétrica e estamos na maior seca de todos os tempos", reforçou.

Porto de Cuba

Dilma foi questionada por um internauta sobre as razões do financiamento do porto de Muriel, em Cuba, que recebeu recursos do BNDES, e disse que o contrato não é confidencial.

"Esse é um processo que se chama de internacionalização. Não é sigiloso. Tem um contrato com a empresa brasileira e a holandesa", disse.

Segundo a presidente, há ainda um contrato com o governo cubano e "o que eles fazem lá é problema deles". "Não é um contrato público. É um contrato privado. Acho que tem um preconceito por ser Cuba", afirmou, ressaltando que é preciso ver esse investimento como "bom".

Fonte: Carla Araújo, do