Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -0,44%

    74.157,38

  • 25/11/2017 06h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,31%

    R$ 3,232

  • 25/11/2017 06h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 15,43%

    R$ 66,81

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,24%

    R$ 1,6810/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,21%

    R$ 1,8324/L

  • 25/11/2017 06h00
    CEPEA

Reajustes já 'engoliram' desconto na conta de luz

 

São Paulo - O desconto dado pela presidente Dilma Rousseff na conta de luz durou pouco mais de um ano. Depois dos últimos reajustes concedidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o benefício praticamente desapareceu da tarifa de algumas distribuidoras. Numa delas, caso da AES Sul (RS), o preço para o consumidor residencial está R$ 7 mais alto que antes do desconto. Em outros casos, falta muito pouco para o benefício ser anulado.

Das 17 concessionárias que tiveram reajuste até abril, apenas três mantiveram a redução na tarifa do ano passado para cá, segundo dados da Aneel. É o caso de CPFL Mococa, CPFL Leste Paulista e Enersul. Os consumidores do Nordeste e de Minas Gerais foram os que mais sentiram os reajustes.

Na Coelce, que atende o Estado do Ceará, 93% do desconto concedido por meio da MP 579 já foi corroído pelos reajustes. Em 2012, antes da redução, a tarifa era de R$ 363,81 o megawatt/hora (MWh). Hoje está em R$ 359,22 o MWh. Situação semelhante vivem os consumidores das distribuidoras Energisa Sergipe e Celpe, de Pernambuco, cujos benefícios já foram reduzidos em 86% e 84%, respectivamente. Na Cemig, em Minas Gerais, faltam R$ 7,81 para a tarifa atual voltar ao patamar de 2012, antes da MP 579, quando estava em R$ 404.23 o MWh.

Segundo especialistas, o mesmo instrumento que reduziu as tarifas em janeiro de 2013 também ajudou a corroer parte dos benefícios. Como algumas empresas não aceitaram aderir às regras da MP 579 para renovar a concessão das hidrelétricas, as distribuidoras ficaram sem contrato de garantia para atender 100% de seu mercado. Com isso, o governo teve de fazer um leilão para cobrir esse buraco em dezembro do ano passado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Renée Pereira, do