Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +0,04%

    76.004,15

  • 21/09/2017 00h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,21%

    R$ 3,129

  • 21/09/2017 00h00
    UOL

AÇÚCAR INTERNACIONAL

  • Variação

    Valor

  • 2.30%

    14.70 USd/lb.

  • 21/09/2017 00h00
    Bloomberg

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,61%

    R$ 52,65

  • 21/09/2017 00h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,55%

    R$ 1,4355/L

  • 21/09/2017 00h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,97%

    R$ 1,5837/L

  • 21/09/2017 00h00
    CEPEA

Setor de cana precisa de pacote para se reerguer, diz consultor

 

Com uma dívida de R$ 60 bilhões e 67 usinas em recuperação judicial, o setor sucroenergético precisaria de um novo Programa Especial de Saneamento de Ativos (Pesa) e até 20 anos para ser restabelecido, na avaliação de Marcos Françóia, sócio e diretor da MBF Agribusiness. “O governo é o maior credor, com a dívida dos impostos, e tem de ajudar o setor”, disse Françóia, durante seminário do Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (Ceise), em Sertãozinho (SP).

O Pesa foi criado em 1998 e os produtores de açúcar e etanol conseguiram prorrogar as dívidas por até duas décadas, com juros de 3% ao ano. “O problema é que muitas empresas não honraram a dívida por incompetência na gestão, e não por problema financeiro”, afirmou o consultor. Portanto, ele considera que a crise financeira de 2008, com mais de 30 usinas em recuperação judicial nos dois anos seguintes, era sistêmica e agravou a situação financeira do já combalido setor produtor de açúcar, etanol e energia.

Das 67 usinas em recuperação judicial, 38 estão no Sudeste, 14 no Nordeste, 13 no Centro-Oeste e duas no Sul, onde a produção se resume basicamente ao Paraná. Os dados da MBF apontam que quase 83% dessas usinas têm dívidas acima de R$ 100 por tonelada de cana processada, valor correspondente ao faturamento médio do setor, e em algumas a dívida supera R$ 400 por tonelada de cana.

A crise trouxe, segundo a MBF, a demissão de 100 mil trabalhadores diretos e outros 200 mil indiretos em um setor que emprega 1,5 milhão de pessoas diretamente e 2,5 milhões indiretamente. “Portanto, não adianta melhorar preço (dos combustíveis), porque qualquer política econômica daqui pra frente não vai melhorar o setor”, afirmou Françóia.

(Fonte: O Estado de S.Paulo)