Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 84.219,75

  • 22/10/2018 04h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 22/10/2018 04h00

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 5,22%

    R$ 65,90

  • 22/10/2018 04h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,45%

    R$ 1,8129/L

  • 22/10/2018 04h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 3,17%

    R$ 2,0240/L

  • 22/10/2018 04h00
    CEPEA

Superávit comercial da China com EUA aumenta em plena crise comercial

 

O superávit comercial da China com os Estados Unidos, que está no centro das divergências entre os dois países, voltou a subir no primeiro trimestre, apesar do gigante asiático ter registrado um raro déficit no conjunto do comércio exterior em março.
 
O desequilíbrio do comércio entre as duas maiores potências econômicas mundiais se agravou no primeiro trimestre, com um aumento do superávit chinês de 19,4% na comparação com o mesmo período do ano passado.
 
O saldo comercial foi de US$ 58 bilhões de dólares no período entre janeiro e março. Em relação aos últimos 12 meses, as exportações para os Estados Unidos cresceram 14,8% e as importações, 8,9%.
 
A situação registrou uma aceleração: no acumulado em 2017 a alta no superávit chinês foi de 10%, com o valor recorde de US$ 275,8 bilhões, de acordo com os dados de Pequim (US$ 375,2 bilhões, segundo Washington).
 
Os principais índices acionários da China fecharam em queda nesta sexta-feira, com os analistas avaliando que as ameaças comerciais podem já estar causando impacto na atividade dos exportadores.
 
+ Entenda como a ‘guerra comercial’ entre EUA e China pode afetar a economia
 
O presidente americano Donald Trump critica o déficit colossal de seu país, que atribui práticas comerciais "desleais" do regime comunista. Ele exige de Pequim uma redução de US$ 100 bilhões.
 
 
O fantasma de uma guerra comercial se aproximou na semana passada com a ameaça de Washington de adotar tarifas de US$ 150 bilhões às importações de produtos chineses, enquanto Pequim anunciou medidas de represálias proporcionais.
 
 
"Não buscamos deliberadamente o excedente comercial, a situação atual reflete o estado do mercado, a divisão das estruturas econômicas e a competitividade industrial diferente", disse Huang Songping, porta-voz da Alfândega chinesa.
 
"A China espera que os Estados Unidos escutem a voz da razão e do pragmatismo", completou Huang, antes de recordar que Pequim "não deseja" uma guerra comercial.
 
Washington é o segundo maior sócio comercial da China, depois da União Europeia (UE): o intercâmbio comercial entre os dois países aumentou 13% no primeiro trimestre, a US$ 142 bilhões.
 
Déficit raro em março
O excedente chinês com os Estados Unidos caiu a US$ 15,4 bilhões em março, uma contração na comparação com os US$ 21 bilhões de fevereiro, e de 12% em relação a março de 2017, segundo as estatísticas oficiais. Mas ainda assim foi quase 18% maior do que em março de 2017.
 
Ao mesmo tempo, a China registrou em março um inesperado déficit de US$ 4,98 bilhões para o conjunto de seu comércio exterior, depois de um excedente de US$ 33,7 bilhões em fevereiro.
 
Esta é a primeira vez desde fevereiro de 2017 que o país registra um déficit do comércio exterior.
 
A mudança na balança comercial é explicada pela queda imprevista das exportações chinesas, uma contração de 2,7% na comparação com março do ano passado. Analistas entrevistados pela agência Bloomberg esperavam uma alta de 11,8%. O resultado ficou muito longe da alta de 44% do mês anterior.
 
Ao mesmo tempo, as importações chinesas cresceram 14,4% (contra 6,3% em fevereiro).
 
"O déficit comercial é um fenômeno efêmero, não uma nova norma", afirmou Iris Pang, analista do ING Groep.
 
Mas o cenário pode mudar, em caso de escalada de tensões comerciais, o que levaria o país a impor tarifas de importação.
 
Nos últimos dias, o tom foi mais conciliador. O presidente chinês Xi Jinping prometeu na terça-feira uma "China mais aberta" e uma redução das tarifas para os carros importados.
 
 
Mas na quinta-feira um porta-voz do ministério do Comércio chinês recordou que "nenhuma negociação" teve início com os Estados Unidos por "falta de "sinceridade" de Washington.
 
"Com a China temos discussões formidáveis", afirmou Trump, antes de repetir que serão adotadas tarifas por "50 bilhões de dólares, e depois por 100 bilhões. Sabe, em algum momento não terão mais munição".
 
 
 
Fonte: G1