Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +1,28%

    73.437,28

  • 18/11/2017 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,56%

    R$ 3,261

  • 18/11/2017 22h00
    UOL

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 12,99%

    R$ 65,40

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,21%

    R$ 1,6769/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,69%

    R$ 1,8286/L

  • 18/11/2017 22h00
    CEPEA

Usina opera com menos de 15% e entra em estado crítico

 

Franca, SP - A seca no Sudeste e Centro-Oeste continua a ser sentida pelas usinas hidrelétricas que ainda operam com baixo nível de água.

A situação é mais preocupante na Usina de Água Vermelha, que entrou em estado crítico e, na segunda-feira, 5, estava com apenas 14,96% de sua capacidade, segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS).

Nesta mesma época do ano passado ela funcionava com 80% do reservatório. A estiagem criou um cenário jamais visto no noroeste de São Paulo, onde fica Água Vermelha, e no sul de Minas Gerais, região com a qual faz divisa e onde se encontra o Lago de Furnas, responsável pelo volume de água em diversas usinas do Sudeste.

Água Vermelha fica entre os municípios de Ouroeste (SP) e Iturama (MG) e, no que depender das previsões, a situação tende a ficar pior. Isso porque, de acordo com a meteorologia, não deve chover uma gota naquela região pelo menos nas duas próximas semanas.

E isso vai se somar aos resultados negativos da chuva, que já foi muito escassa no verão.

A usina fica no Rio Grande, onde a seca é logo notada, pois em alguns pontos a água já recuou até 200 metros das margens.

Em muitos locais onde havia rio hoje existe só terra, prejudicando diretamente o turismo e o trabalho dos pescadores.

A usina trabalha com seis turbinas, tem 1.396,20 megawatts de potência instalada e sua produção se destina à Região Sudeste.

Nas outras usinas do Rio Grande, no eixo entre São Paulo e Minas Gerais, a situação também não é das melhores. Furnas, a principal e que fornece 17,42% da energia consumida no Sudeste e Centro Oeste, está hoje com 29,11% da capacidade.

Já a Usina de Marimbondo está em situação ainda mais complicada, com 28,42%. A exceção fica por conta da Usina Mascarenhas de Moraes, em Ibiraci (MG), que opera com o reservatório em 75,76% da capacidade, segundo a medição do ONS. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Rene Moreira e enviada especial, do