Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -148,52 (-0,13%)

  • 09/12/2019 19h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • -0,0076 (-0,1835%)

  • 09/12/2019 19h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 4,85%

    R$ 68,74

  • 09/12/2019 19h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 2,48%

    R$ 2,0097/L

  • 09/12/2019 19h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,17%

    R$ 2,1721/L

  • 09/12/2019 19h00
    CEPEA

1 em cada 4 usuários de cartão entrou no crédito rotativo, diz pesquisa

 

1 em cada 4 ususario de cartao entrou no credito rotativo diz pesquisa

 

A cada quatro brasileiros que fizeram compras no cartão de crédito, um deles (25%) entrou no rotativo em fevereiro, uma das modalidades de empréstimo mais caras do mercado. A linha é usada por quem atrasa a fatura ou não paga o valor integral por mais de 30 dias.

O dado é de uma pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Para usar o rotativo, o consumidor paga qualquer valor entre o mínimo e o total da fatura. O restante é automaticamente financiado e lançado no mês seguinte, com juros.

Em fevereiro, a taxa média de juros cobrados no cartão de crédito rotativo era de 286,9% ao ano, só perdendo para o cheque especial.

Segundo o levantamento, 37% dos consultados optaram pelo cartão para fazer algum tipo de compra, a primeira opção de crédito do brasileiro. Assim, o uso do cartão ficou bem à frente do crediário, utilizado por 10% dos consumidores.

Em nota, o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, declarou que as facilidades oferecidas pelo cartão de crédito e o aumento da sua aceitação pelos estabelecimentos comerciais "são as principais razões para a liderança no ranking".

Já o limite do cheque especial foi citado por 9% dos consumidores, enquanto os empréstimos e financiamentos foram utilizados por 7% e 5%, respectivamente. Ao todo, 44% dos consumidores utilizaram, ao menos, uma dessas opções de crédito ao longo do mês de fevereiro, ante 56% que não usaram nenhuma.

Hábitos de consumo
A pesquisa também mostrou que a maior parte dos consumidores utilizou o cartão de crédito – uma linha de crédito considerada como emergencial – para consumir bens de primeira necessidade e gastos correntes do mês.


As compras de alimentos foram as mais comuns, citadas por 66% dos consultados. Segundo a pesquisa, o valor médio da fatura em fevereiro foi de R$ 897,67.

Veja quais foram os itens mais consumidos com o cartão de crédito:

Alimentos (66%)
Remédios (46%);
Roupas e calçados (36%)
Combustíveis (35%)
Idas a bares e restaurantes (29%)
Serviços de streaming (19%)
No limite do orçamento
A pesquisa da CNDL/SPC mostrou, ainda, que a situação financeira da maior parte dos brasileiros é dramática – 76% deles responderam que têm vivido no limite de seu orçamento.

Destes, quase metade (45%) disseram que se mantêm no "zero a zero", ou seja, não sobra dinheiro algum no fim do mês para poupar ou investir. Outros 32% afirmaram que estão no vermelho, com dívidas em atraso. Apenas 15% dos consultados estão no azul.

Crédito negado e juros altos
Ao tentar parcelar uma compra, 19% dos entrevistados afirmaram que tiveram o crédito negado em fevereiro. Segundo o levantamento, o principal motivo da recusa foi o nome sujo, para 6% dos que não conseguiram empréstimo.

Além disso, a percepção de que os juros estão altos piorou, mesmo com a taxa básica (Selic) mantida no menor patamar em anos, a 6,5% ao ano – apontando que os impactos da crise sobre a renda das famílias e empregos formais ainda pesa, indicou o SPC.

Quase 40% dos consumidores consultados disseram acreditar que os juros finais cobrados na ponta estão mais altos nos últimos três meses encerrados em fevereiro. Já para 27%, as taxas estão estáveis, ao passo que somente 4% dos consumidores responderam perceber alguma redução.


Fonte: G1