Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • +45,93 (+0,04%)

  • 18/10/2019 12h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • -0,0328 (-0,7878%)

  • 18/10/2019 12h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 3,60%

    R$ 65,27

  • 18/10/2019 12h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 1,80%

    R$ 1,8004/L

  • 18/10/2019 12h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,27%

    R$ 1,9652/L

  • 18/10/2019 12h00
    CEPEA

Banco Central reduz para 2% previsão de crescimento do PIB de 2019

 

 
Brasília — O Banco Central piorou sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil a 2,0 por cento em 2019, contra 2,4 por cento antes, citando a fraqueza observada na atividade no fim do ano passado, consequências da tragédia de Brumadinho (MG) e menor perspectiva para a safra agrícola neste ano.
 
Em seu Relatório Trimestral de Inflação, publicado nesta quinta-feira, o BC apontou que o ritmo mais fraco de recuperação econômica teve um papel menor nas suas reestimativas sobre os demais fatores.
 
“Essa revisão está associada à redução de carregamento estatístico de 2018 para 2019, resultante do crescimento no quarto trimestre de 2018 em magnitude menor do que esperada; aos desdobramentos da tragédia em Brumadinho sobre a produção da indústria extrativa mineral; às reduções em prognósticos para a safra agrícola; e, residualmente, à moderação no ritmo de recuperação”, disse o BC.
 
Na prática, o BC alinhou sua estimativa à leitura do mercado, numa postura um pouco mais pessimista que a do Ministério da Economia, que previu uma expansão de 2,2 por cento do PIB neste ano em seu último relatório bimestral de receitas e despesas. Na pesquisa Focus mais recente, a expectativa dos economistas é de um avanço de 2,0 por cento do PIB em 2019.
 
 
Fonte: Exame