Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -148,52 (-0,13%)

  • 09/12/2019 19h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • -0,0076 (-0,1835%)

  • 09/12/2019 19h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 4,85%

    R$ 68,74

  • 09/12/2019 19h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 2,48%

    R$ 2,0097/L

  • 09/12/2019 19h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,17%

    R$ 2,1721/L

  • 09/12/2019 19h00
    CEPEA

Dólar passa a subir e bate R$ 4,15, de olho nas relações entre EUA e China

 

dolar passa a subir e bate $4,15, de olho nas relações entre EUA e China
 
Após abrir em queda, o dólar voltou a ser negociado em alta nesta segunda-feira (26), com a cautela ainda pautado com os mercados, com os investidores de olho nos desdobramentos da guerra comercial após o presidente norte-americano, Donald Trump, amenizar o discurso em relação à disputa com a China.
 
Às 13h26, a moeda do norte-americana subia 0,52%, a R$ 4,1464, renovando máximas que não eram atingidas desde setembro do ano passado. Na máxima até o momento chegou a R$ 4,1579. Veja mais cotações.
 
Já a Bovespa operava em queda, ao redor dos 97 mil pontos.
 
Na sexta-feira, o dólar encerrou a sessão em alta de 1,13%, vendida a R$ 4,1250 – maior valor desde 19 de setembro do ano passado (R$ 4,1267). Na parcial do mês, o dólar já acumula um salto de 8,03%. No ano, a valorização ante o real é de 6,47%.
 
Tensão entre EUA e China
Os Estados Unidos e a China buscaram nesta segunda-feira aliviar as tensões sobre a guerra comercial nesta segunda-feira, com Pequim pedindo calma e o presidente norte-americano, Donald Trump, prevendo um acordo depois que os mercados recuaram em resposta a novas tarifas de ambos os países.
 
Trump disse acreditar que a China quer fazer um acordo comercial depois de ter entrado em contato com autoridades comerciais dos EUA durante a noite para dizer que quer voltar à mesa de negociações. Quando perguntado se poderia adiar as tarifas planejadas para os produtos chineses, respondeu: "Tudo é possível".
 
A tensão entre as duas maiores economias do mundo se intensificou na sexta-feira, com ambos os lados adotando mais tarifas sobre as exportações um do outro. Trump anunciou uma taxa adicional sobre cerca de US$ 550 bilhões de produtos chineses, horas depois de a China divulgar tarifas retaliatórias sobre US$ 75 bilhões em mercadorias dos EUA.
 
Para Camila Abdelmalack, economista-chefe da CM Capital Markets, o sentimento de cautela permanece de pano de fundo, já que o cenário de mudanças bruscas de posicionamento de ambos os lados já se mostrou comum.
 
"Esse evento vai influenciar o mercado por um prazo indefinido, então sempre vai ter uma cautela. Por agora, está tudo tranquilo, mas amanhã as coisas podem mudar", disse à Reuters.
 
Atuação do Banco Central
Após o novo salto do dólar ante o real, o Banco Central anunciou nesta sexta-feira (23) a programação de leilões de venda de dólar à vista ao longo do mês de setembro, em operações que podem somar US$ 11,6 bilhões. Dessa forma, o BC dá sequência aos leilões em realização neste mês de agosto, quando a autoridade monetária retomou a venda direta de dólares no mercado à vista pela primeira vez em dez anos.
 
Ao garantir ao mercado a intenção de continuar a trocar swaps cambiais por dólar à vista, o BC reduz a incerteza sobre o objetivo de aumentar a liquidez no mercado à vista, cuja escassez de moeda tem sido um dos motores para a força recente do dólar.
 
A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2019 foi elevada de R$ 3,78 para R$ 3,80 por dólar, segundo boletim Focus do BC, divulgado nesta segunda. Para o fechamento de 2020, permaneceu em R$ 3,81 por dólar.
 
Economia estagnada
Na cena local, o destaque da semana é a divulgação do PIB oficial do segundo trimestre, que será conhecido na quinta-feira. "Embora o número esperado seja muito baixo, a maior parte dos economistas não espera um PIB negativo no período – o que, se for confirmado, afasta ao menos por ora a temida recessão", destacou a Azimut Brasil em relatório.
 
Os analistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de alta do PIB em 2019 de 0,83% para 0,80%, segundo boletim Focus do Banco Central divulgado nesta segunda.
 
 
Fonte: G1