Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • A partir de 1:45PM BRT. Mercado aberto.

  • 25/06/2020 14h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • A partir de 6:00PM BST. Mercado aberto.

  • 25/06/2020 14h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 1,45%

    R$ 75,68

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,83%

    R$ 1,6607/L

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,82%

    R$ 1,8762/L

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

Governo vê rombo de R$ 540 bilhões nas contas públicas neste ano

 

 
 
Antes da pandemia do coronavírus, meta de déficit primário era de 124,1 bilhões de reais, que não precisará mais ser cumprida.
 
O Ministério da Economia atualizou nesta sexta-feira sua estimativa para o déficit primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) a 540,534 bilhões de reais em 2020, rombo recorde para o país, em meio aos impactos do coronavírus na economia.
 
Por conta do estado de calamidade pública, o governo não precisará cumprir neste ano a meta de déficit primário, de 124,1 bilhões de reais.
 
Na divulgação do seu relatório de receitas e despesas referente ao segundo bimestre, o governo elevou as despesas primárias calculadas para o ano em 267,663 bilhões de reais, a 1,753 trilhão de reais.
 
Agora, a conta é de 220,893 bilhões de reais em créditos extraordinários para 2020, ante apenas 7,672 bilhões de reais no relatório do primeiro bimestre.
 
A equipe do ministro Paulo Guedes também elevou em 34,860 bilhões de reais a conta de subsídios, subvenções e Proagro em 2020, a 49,207 bilhões de reais, fundamentalmente pela transferência de 34 bilhões de reais do Tesouro para o programa de financiamento à folha de pagamento das empresas.
 
Para a receita líquida, a conta foi diminuída em 111,247 bilhões de reais, a 1,213 trilhão de reais no ano.
 
Segundo o ministério, a redução nas expectativas de crescimento para a economia representou uma perda de mais de 63 bilhões de reais para a receita. Também pesaram nessa conta o menor recolhimento de tributos, por conta do aumento de compensações tributárias e por desonerações associadas a políticas implementadas para o enfrentamento à pandemia de coronavírus.
 
Os cálculos levaram em conta uma contração do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,7% este ano, que já havia sido divulgada mais cedo neste mês pela Secretaria de Política Econômica.
 
No relatório do primeiro bimestre, o cálculo ainda era de um déficit primário de 161,624 bilhões de reais para o governo central este ano, com crescimento do PIB de 2,1%.
 
Em 1º de maio, contudo, a equipe econômica divulgou uma estimativa de déficit primário pior, de 566,6 bilhões de reais para o governo central, embora tenha considerado uma queda menos drástica do PIB, de 3,34%, que era então calculada por economistas na pesquisa Focus.
 
Fonte: EXAME