Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • No fechamento: 5:21PM BRT

  • 29/03/2020 00h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • No fechamento: 10:02PM GMT

  • 29/03/2020 00h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 5,62%

    R$ 76,35

  • 29/03/2020 00h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 9,47%

    R$ 1,5137/L

  • 29/03/2020 00h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 7,28%

    R$ 1,8748/L

  • 29/03/2020 00h00
    CEPEA

Ibovespa amplia queda com receios com o coronavírus

 

 
 
A bolsa paulista retomava o viés negativo nesta sexta-feira, com o Ibovespa caindo cerca de 2%, dado o ambiente ainda avesso a risco em razão das dúvidas relacionadas ao surto de coronavírus que começou na China, mas já se espalhou por 18 países.
 
Às 12:48, o Ibovespa caía 1,72 %, a 113.540,40 pontos. Nesse patamar, o Ibovespa caminha para fechar o primeiro mês do ano no vermelho. O volume financeiro da sessão somava 3,78 bilhões de reais.
 
De acordo com o estrategista Felipe Lacs Sichel, do modalmais, a falta de perspectiva de estabilização da disseminação do vírus faz com que não se consiga precisar exatamente o impacto econômico do choque na China.
 
“Assim, é difícil de encontrar o preço ‘justo’ para as revisões de crescimento que virão”, afirmou.
 
O número de mortos pelo novo coronavírus declarado como emergência global pela Organização Mundial da Saúde (OMS) chegou a 213, com autoridades chinesas afirmando que o número de infecções aumentou para 9.692.
 
Não houve mortes fora da China, embora 131 casos tenham sido relatados em 23 outros países e regiões, sendo o mais recente no Reino Unido.
 
Na China, a atividade industrial ficou estagnada em janeiro, com as encomendas de exportação caindo e reflexos do surto do vírus. O dado também foi influenciado pelo feriado do Ano Novo Lunar.
 
Para Sichel, a sessão na bolsa paulista deve ser marcada pela atuação de duas forças contrárias, com alguns participantes enxergando algumas barganhas e outros agentes preferindo posições mais cautelosos antes do fim de semana.
 
A equipe da Guide Investimentos destacou em nota a clientes que o noticiário em torno do novo coronavírus deve continuar como principal ‘driver’ dos mercados no curto prazo.
 
Destaques
– VALE ON perdia 2,27%, afetada pelas dúvidas relacionadas aos efeitos do coronavírus na economia chinesa, dada a sua sensibilidade ao mercado daquele país, com o setor de mineração e siderurgia como um todo no vermelho, com GERDAU PN caindo 2,8%. No mês, Vale acumula perda de cerca de 5%.
 
– ELETROBRAS ON caía 2,6%, em sessão de ajustes, embora caminhe para fechar o mês com valorização. Na véspera, a elétrica observou demanda de 7 bilhões de dólares na venda de dois títulos no total de 1,25 bilhão de dólares, segundo dois investidores familiarizados com o negócio ouvidos pelo IFR, serviço da Refinitiv.
 
– BANCO DO BRASIL ON recuava 2,2%, pior desempenho entre bancos do Ibovespa, mas a maior pressão de baixa vinha de BRADESCO PN, em queda de 1,7%, e ITAÚ UNIBANCO PN, caindo 1,8%. Na próxima semana, no dia 5, o Bradesco divulga seu resultado trimestral.
 
– PETROBRAS ON cedia 2,3%, em sessão sem viés claro dos preços do petróleo no mercado externo, tendo no radar precificação de oferta de ações ordinárias da companhia em poder do BNDES esperada para a próxima terça-feira. PETROBRAS PN caía 1,3%.
 
– BRASKEM PNA mostrava elevação de 0,9%, retomando a trajetória de alta após ajuste negativo nos últimos cinco pregões, quando acumulou declínio de 18,5%. No mês, os papéis ainda acumulam variação positiva de cerca de 7%.
 
– MARFRIG ON subia 1%, com o setor de proteínas entre as poucas ações em alta na sessão. JBS ON avançava 1,2% e BRF ON tinha queda de 0,4%.
 
– POSITIVO TECNOLOGIA, que não está no Ibovespa, recuava 9,4%, após precificar na véspera oferta de ações a 6,55 reais por papel, um desconto de mais de 20% em relação ao preço de fechamento da quinta-feira. Na mínima desta sexta-feira, mais cedo, as ações caíram 19,4%.
 
Fonte: EXAME