Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -148,52 (-0,13%)

  • 10/12/2019 03h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • -0,0002 (-0,0048%)

  • 10/12/2019 03h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 4,85%

    R$ 68,74

  • 10/12/2019 03h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 2,48%

    R$ 2,0097/L

  • 10/12/2019 03h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,17%

    R$ 2,1721/L

  • 10/12/2019 03h00
    CEPEA

Incerteza da economia cai 0,4 ponto em junho, diz FGV

 

incerteza da economia cai 0,4 opnto em junho, diz FGV
 
O Indicador de Incerteza da Economia, calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 0,4 ponto de maio para junho deste ano, ao passar de 119,5 pontos para 119,1 pontos. A queda veio depois de duas altas do indicador.
 
O recuo do indicador em junho foi influenciado pelo componente de mídia, baseado na frequência de notícias com menção à incerteza quanto à economia, que recuou 2,4 pontos entre maio e junho de 2019.
 
Por outro lado, o componente de expectativa, construído a partir da média dos coeficientes de variação das previsões dos analistas econômicos, subiu 7,6 pontos no mesmo período.
 
Segundo a pesquisadora da FGV Raíra Marotta, apesar do leve recuo, o Indicador de Incerteza segue em patamar elevado. Raíra disse que a tendência é que o índice continue alto até que se tenha “maior clareza quanto à aprovação das reformas que se mostram necessárias para retomada do crescimento econômico”.
 
Por outro lado, o componente de expectativa, construído a partir da média dos coeficientes de variação das previsões dos analistas econômicos, subiu 7,6 pontos no mesmo período.
 
Segundo a pesquisadora da FGV Raíra Marotta, apesar do leve recuo, o Indicador de Incerteza segue em patamar elevado. Raíra disse que a tendência é que o índice continue alto até que se tenha “maior clareza quanto à aprovação das reformas que se mostram necessárias para retomada do crescimento econômico”.
 
Fonte: Época Negócios