Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • 15/07/2021 08h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 15/07/2021 08h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 1,74%

    R$ 115,55

  • 15/07/2021 08h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 3,16%

    R$ 2,9235/L

  • 15/07/2021 08h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 2,79%

    R$ 3,3373/L

  • 15/07/2021 08h00
    CEPEA

Inflação afeta mais as pessoas de baixa renda em abril, diz Ipea

 

No acumulado de 12 meses, a inflação apurada as famílias de renda muito baixa chegou a 12,7%.
 
A inflação de abril foi maior para as famílias mais pobres, de acordo com o levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) divulgado nesta segunda-feira (16).
 
Em abril, o indicador do Ipea mostrou que a inflação para as famílias com renda domiciliar muito baixa foi de 1,06%. No outro extremo, entre as famílias de renda alta, marcou 1%.
 
No acumulado de 12 meses, a inflação apurada para esse grupos familiares chegou a 12,7% e 10,8%, respectivamente.
 
No mês passado, a inflação para as faixas de mais baixa renda foi pressionada pelo grupo alimentos e bebidas. Para as faixas mais ricas, o maior impacto veio do grupo transportes.
 
"No caso do segmento de renda muito baixa, o impacto exercido pela alta dos preços dos alimentos no domicílio – especialmente do arroz (2,2%), feijão (7,1%), macarrão (3,5%), batata (18,3%), leite (10,3%), frango (2,4%), ovos (2,2%), pão francês (4,5%) e óleo de soja (8,2%) – fez com que o grupo alimentos e bebidas respondesse por 61% de toda a inflação apurada em abril", destacou o Ipea.
Entre a população mais rica, o grupo transporte representou 60% de toda a inflação. O indicador refletiu os reajustes das passagens aéreas (9,5%), do transporte por aplicativo (4,1%), da gasolina (2,5%), do etanol (8,4%) e do diesel (4,5%).
 
"Além dos alimentos e dos medicamentos, as altas dos preços dos serviços pessoais, especialmente os relacionados à recreação, também impactaram positivamente a inflação destas famílias". informou o Ipea.
 
Fonte: G1