Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • A partir de 5:17PM BRT. Mercado aberto.

  • 03/06/2020 10h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • A partir de 2:00PM BST. Mercado aberto.

  • 03/06/2020 10h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,76%

    R$ 76,21

  • 03/06/2020 10h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 6,66%

    R$ 1,5303/L

  • 03/06/2020 10h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 5,26%

    R$ 1,6639/L

  • 03/06/2020 10h00
    CEPEA

Monitor do PIB aponta alta de 0,7% em janeiro, diz FGV Monitor do PIB de janeiro ainda não capta impactos negativos da pandemia do novo coronavírus

 

 
O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,7% em janeiro ante dezembro de 2019, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com janeiro de 2019, a economia cresceu 1,2% em janeiro.
 
“A economia inicia 2020 com resultado positivo em janeiro (1,1% na taxa acumulada em 12 meses) na comparação com dezembro, evidenciando a continuidade da lenta e medíocre retomada que vinha tendo desde 2017, quando iniciou-se o período expansivo após a recessão iniciada em 2014”, diz a nota divulgada nesta segunda-feira, 30, pela FGV.
 
A atividade econômica de janeiro foi puxada pelo consumo.
 
Na comparação entre trimestres móveis, o consumo das famílias avançou 1,4% nos três meses encerrados em janeiro, ante igual período de um ano antes.
 
A formação bruta de capital fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) caiu 1,2% na mesma base de comparação.
 
O Monitor do PIB de janeiro ainda não capta impactos negativos da pandemia do novo coronavírus. Para a FGV, o crescimento econômico de janeiro “não se sustentará ao longo do ano frente aos desafios econômicos e sociais que estarão sendo sentidos a partir de março, com a chegada da Pandemia do Covid-19.”
 
 
Fonte: EXAME