Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -3.894,52 (-3,29%)

  • 27/01/2020 19h01
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • +0,0206 (+0,4925%)

  • 27/01/2020 19h01
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 4,33%

    R$ 76,44

  • 27/01/2020 19h01
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,33%

    R$ 2,0618/L

  • 27/01/2020 19h01
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,57%

    R$ 2,2545/L

  • 27/01/2020 19h01
    CEPEA

Número de inadimplentes alcança o recorde de 63 milhões em março, diz Serasa

 

numero de inadimplentes alcança o recorde de 63 milhões em março, diz serasa

 

O número de pessoas com o nome sujo ou com dívidas em atraso alcançou 63 milhões em março segundo dados da Serasa Experian divulgados nesta quarta-feira (24). É o maior patamar desde o início da série histórica, iniciada em 2016. Com isso, 40,3% da população adulta está inadimplente no Brasil.

Na comparação com março do ano passado, cerca de 2 milhões de pessoas entraram para a inadimplência, um aumento de 3,2%. Já em relação a fevereiro, houve uma alta de 1,2%.

Em nota, o economista da Serasa Luiz Rabi afirmou que o aumento do desemprego e o repique da inflação nos primeiros meses do ano resultaram em perdas da renda do consumidor, que impacta diretamente na inadimplência.

"Também a concentração de compromissos financeiros típicos de início de ano (IPTU, IPVA, material escolar etc.) pressionaram o orçamento da população", lembrou o economista.

Inadimplência dos idosos tem a maior alta
Por faixa etária, a inadimplência foi maior nas pessoas de 36 a 40 anos (48,5% delas estão inadimplentes), mas os idosos (com mais de 61 anos) tiveram a maior alta, de 1,9 ponto percentual, na comparação com o mesmo mês do ano anterior: 38,8% deles estavam inadimplentes em março

Já as faixas de 26 a 35 anos e de 31 a 35 anos tiveram ligeira queda na mesma relação.


Fonte: G1