Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • No fechamento: 5:21PM BRT

  • 28/03/2020 22h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • No fechamento: 10:02PM GMT

  • 28/03/2020 22h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 5,62%

    R$ 76,35

  • 28/03/2020 22h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 9,47%

    R$ 1,5137/L

  • 28/03/2020 22h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 7,28%

    R$ 1,8748/L

  • 28/03/2020 22h00
    CEPEA

Petroleira Saudi Aramco tem queda de 20,6% no lucro

 

 
 
"A queda se deve principalmente à redução dos preços do petróleo bruto e dos volumes de produção", afirmou a empresa em nota. 
 
A gigante do petróleo Saudi Aramco anunciou publicamente pela primeira vez seus resultados anuais: a empresa registrou queda de 20,6% do lucro líquido em 2019, provocada pela redução dos preços do petróleo.
 
Em 2019, a empresa registrou lucro líquido de 88,2 bilhões de dólares, contra 111,1 bilhões em 2018, informa um comunicado publicado no site da bolsa saudita.
 
“A queda se deve principalmente à redução dos preços do petróleo bruto e dos volumes de produção”, afirmou a empresa, o maior grupo com cotação na Bolsa no mundo.
 
“2019 foi um ano excepcional para a Saudi Aramco. Em circunstâncias diferentes – algumas planejadas e outras não – o mundo pôde observar uma mostra sem precedentes da agilidade e resiliência da Saudi Aramco”, declarou o presidente da empresa, Amin Nasser.
 
“Nossa escala única, nossos custos reduzidos e nossa resiliência se uniram para crescimento e o lucro mais importantes do mundo, mantendo ao mesmo tempo nossa posição como uma das empresas de energia mais confiáveis do planeta”, completou.
 
O anúncio dos resultados anuais da Saudi Aramco, inicialmente previstos para segunda-feira, foi feito em um contexto de nervosismo no mercado de petróleo, provocado pela epidemia do novo coronavírus e por uma guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia.
 
Riad pressiona Moscou, segundo maior produtor mundial de petróleo, a aceitar uma redução da produção global para compensar a queda da demanda, que registra uma desaceleração pela pandemia de coronavírus.
 
Em abril de 2019, a Aramco permitiu pela primeira vez o acesso a suas contas, mas apenas para agências de classificação financeira. A empresa tem a obrigação de ser mais transparente desde sua histórica entrada na bolsa, em 11 de dezembro de 2019.
 
Fonte: EXAME