Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -148,52 (-0,13%)

  • 10/12/2019 03h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • -0,0002 (-0,0048%)

  • 10/12/2019 03h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 4,85%

    R$ 68,74

  • 10/12/2019 03h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 2,48%

    R$ 2,0097/L

  • 10/12/2019 03h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 1,17%

    R$ 2,1721/L

  • 10/12/2019 03h00
    CEPEA

Qual será a redução de juros no Brasil e EUA?

 

qual sera a reducao de juros no brasil e eua?
 
A quarta-feira deve ser dia de cortes na frente monetária. Tanto o Comitê de Política Econômica (Copom) do Banco Central, no Brasil, quanto o Fed, o banco central norte-americano, anunciam novas taxas básicas de juros.
 
Uma nova redução era dada como certa nas duas frentes, em meio a sinais de economia fraca e inflação sob controle tanto aqui quanto lá. Mas a certeza foi chacoalhada depois do último sábado, quando ataques a importantes instalações de petróleo na Arábia Saudita fizeram com que o preço do barril no mercado internacional começasse a semana em disparada. A alta chegou a quase 15% na segunda-feira, embora tenha perdido força na terça.
 
O grosso das apostas continua a mesma para os dois países: um corte de 0,25 ponto pelo Fed, nos EUA, e de 0,5 ponto pelo Copom, no Brasil. Isso deve levar a Selic, a taxa básica brasileira, dos atuais 6% para 5,5% ao ano, seu mais novo recorde de baixa.
 
As dúvidas, entretanto, ficam para o futuro: com o choque do petróleo, os cortes nos juros poderão continuar no mesmo ritmo? Por isso, mais do que para a redução de juro em si, agentes do mercado devem virar as atenções para as atas e as declarações de seus bancos centrais que virão após os anúncios desta quarta. Até semana passada analistas previam que o Brasil fechasse 2019 com juros de 5% ou até abaixo disso.
 
O petróleo mais caro, por um tempo prolongado, tem um efeito cascata sobre toda a economia, o que tende a impulsionar a inflação. Inflação alta, por sua vez, limita a possibilidade de juros muito baixos. Isso acendeu rapidamente o alerta entre analistas e investidores – embora o susto tenha sido suavizado, ontem, pela notícia de que a Arábia Saudita estima normalizar sua produção ainda este mês.
 
Por outro lado, os desafios da atividade econômica ainda são grandes. Nos Estados Unidos, inflação baixa e a temida inversão das curvas de juros estão entre os principais argumentos do time a favor de cortes mais fortes nos juros.
 
No mês passado, o rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano de dois anos ultrapassou o dos papéis com vencimento em 10 anos, mesmo que os prazos mais curtos tenham riscos menores do que os longos. É uma situação contraintuitiva, que não acontecia desde a crise de 2007 e que se tornou sintoma clássico das crises por que o país passou.
 
No Brasil, a inflação está rodando abaixo da meta – acumulou 3,44% nos 12 meses até julho, para um alvo de 4,25% – e dados de emprego e PIB seguem fracos. O PIB cresceu 0,4% do primeiro para o segundo trimestre, e as prévias para o terceiro não são boas. O IBC-Br, indicador de atividade econômica do BC que serve como prévia do PIB, apontou para uma queda de 0,16% em julho ante junho.
 
O Monitor do PIB da Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgado ontem, também estimou queda de 0,2% na atividade do país entre junho e julho. Novos motivos para estimular futuras facadas do Copom.
 
 
Fonte: EXAME