Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • A partir de 1:45PM BRT. Mercado aberto.

  • 25/06/2020 14h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • A partir de 6:00PM BST. Mercado aberto.

  • 25/06/2020 14h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 1,45%

    R$ 75,68

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,83%

    R$ 1,6607/L

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,82%

    R$ 1,8762/L

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

Santander Brasil tem lucro de R$ 2,02 bilhões no 2º trimestre, queda de 40% em relação a 2019

 

 
 
Em relação ao primeiro trimestre (R$ 3,774 bilhões), a queda foi de 46,3%.
 
O Santander Brasil registrou lucro líquido societário de R$ 2.025,6 bilhões no 2º trimestre, o que representa uma queda de 46,3% na comparação com o primeiro trimestre (R$ 3,774 bilhões) e de 40,76% em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 3,41 bilhões), com a provisão de R$ 3,2 bilhões para potenciais perdas com empréstimos por causa da crise da pandemia.
 
No semestre, o lucro líquido societário foi de R$ 5,8 bilhões, queda de 14,7% em relação ao 1º semestre de 2019 (R$ 6,8 bilhões).
 
Já o lucro gerencial, que exclui fatores extraordinários, alcançou R$ 2,136 bilhões no segundo trimestre, queda de 41,2% em relação ao mesmo período do ano passado e de 44,6% em relação ao trimestre anterior.
 
O retorno sobre o patrimônio líquido médio, um indicador da lucratividade dos bancos, atingiu 12% em três meses e 17,1% no primeiro semestre. No primeiro trimestre, havia atingido 22,3%.
 
A margem financeira bruta foi de R$ 13,6 bilhões no segundo trimestre, alta de 7,6% em relação ao último trimestre e de 20,2% na comparação anual.
 
As provisões para devedores duvidosos (PDD) ficaram em R$ 6,53 bilhões, alta de 90,8% em relação ao trimestre anterior e de 111,3% em relação ao mesmo período de 2019. A provisão extraordinária ficou em R$ 3,2 bilhões, devido aos impactos da pandemia do coronavírus.
 
A inadimplência ficou em 2,4% em junho, recuo 0,6 ponto percentual na comparação trimestral e anual.
 
As receitas com prestação de serviços e tarifas bancárias ficaram em R$ 4,102 bilhões, queda de 11,9% ante 2019 e de 8,5% no trimestre.
 
A carteira de crédito total, por sua vez, cresceu 20,5% em 12 meses, alcançando R$ 382,8 bilhões - ao final de junho de 2019 foi de R$ 317,6 bilhões.
 
Já a matriz do Santander da Espanha registrou prejuízo líquido recorde de 11,1 bilhões de euros (US$ 13 bilhões) no segundo trimestre, sofrendo o maior impacto registrado até o momento por um banco europeu em meio à crise desencadeada pela pandemia do novo coronavírus.
 
Os principais mercados do Santander, que abrangem o Brasil e a Espanha, foram alguns dos mais afetados pela pandemia, com moedas emergentes mais fracas do mercado piorando os números.
 
Fonte: G1