Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • A partir de 1:45PM BRT. Mercado aberto.

  • 25/06/2020 14h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • A partir de 6:00PM BST. Mercado aberto.

  • 25/06/2020 14h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 1,45%

    R$ 75,68

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 0,83%

    R$ 1,6607/L

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 0,82%

    R$ 1,8762/L

  • 25/06/2020 14h00
    CEPEA

Taxa de desemprego encerra 2019 em 11%

 

 
 
Faltou trabalho para 26,1 milhões de brasileiros. A taxa de desocupação teve um recuo estatisticamente significativo em apenas nove das 27 Unidades da Federação na passagem do terceiro trimestre de 2019 para o quarto trimestre do ano. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta sexta-feira, 14, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
A taxa de desocupação no total do país no quarto trimestre de 2019 foi de 11,0%, ante 11,8% no terceiro trimestre. Segundo o IBGE, faltou trabalho para 26,1 milhões de brasileiros. No quarto trimestre do ano passado, a taxa de desocupação era de 11,6%.
 
No Estado de São Paulo, a taxa de desocupação recuou de 12,0% no terceiro trimestre para 11,5% no quarto trimestre do ano passado.
 
No quarto trimestre, as maiores taxas foram observadas na Bahia (16,4%), Amapá (15,6%), Roraima (14,8%) e Sergipe (14,8%). Os menores resultados ocorreram em Santa Catarina (5,3%), Mato Grosso (6,4%) e Mato Grosso do Sul (6,5%).
 
A taxa de subutilização, que reúne os desempregados, os que trabalharam menos horas do que poderiam e os que estavam disponíveis para trabalhar mas não procuraravam uma vaga, chegou a 23% da força de trabalho no fim do ano. Na média de 2019, ficou em 24,2%, praticamente o mesmo patamar de 2018 (24,3%).
 
A dificuldade de encontrar uma vaga fez 4,6 milhões de trabalhadores desistirem de procurar emprego no fim ano, o chamado desalento, que se manteve no mesmo patamar de 2018.
 
 
O Brasil tinha no 4º trimestre do ano passado 2,910 milhões de pessoas em busca de emprego há dois anos ou mais, segundo os dados da Pnad Contínua. No trimestre anterior, esse contingente era de 3,150 milhões de desempregados em busca de uma vaga há tanto tempo. Em relação ao quarto trimestre de 2018, diminuiu em 6,5% o contingente de desempregados há pelo menos dois anos.
 
No quarto trimestre de 2019, outros 1,650 milhão de trabalhadores procuravam emprego há mais de um ano, mas menos de dois anos. O grosso dos desempregados no quarto trimestre, 5,210 milhões, estava em busca de uma vaga havia pelo menos um mês, mas menos de um ano. Na faixa dos que tentavam encontrar um trabalho havia menos de um mês estavam 1,861 milhão de pessoas.
 
Fonte: Época Negócios