Sermasa Equipamentos Industriais

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro sobre vagas de emprego, informativos de mercado, opiniões e artigos técnicos.
Enviar
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.
Carregando

COTAÇÕES

BOVESPA

  • Variação

    Pontos

  • -877,81 (-0,92%)

  • 25/04/2019 06h00
    Yahoo

DÓLAR COMERCIAL

  • Variação

    Valor

  • 0,0000 (0,0000%)

  • 25/04/2019 06h00
    Yahoo

AÇÚCAR CRISTAL

  • Variação

    Valor

  • 0,68%

    R$ 69,31

  • 25/04/2019 06h00
    CEPEA

ETANOL HIDRATADO

  • Variação

    Valor

  • 4,66%

    R$ 1,9846/L

  • 25/04/2019 06h00
    CEPEA

ETANOL ANIDRO

  • Variação

    Valor

  • 8,67%

    R$ 2,1038/L

  • 25/04/2019 06h00
    CEPEA

União pagará US$ 9 bi à Petrobras por revisão de contrato de exploração do pré-sal, diz conselho

 

uniao pagara

 

O Conselho Nacional de Política Energética informou nesta terça-feira (9) que a União pagará à Petrobras US$ 9 bilhões pela revisão do contrato de exploração do petróleo do pré-sal na Bacia de Santos (SP).

Em 2010, a União e a Petrobras assinaram o acordo da "cessão onerosa", que permitiu à estatal explorar 5 bilhões de barris de petróleo na bacia. À época, a Petrobras pagou R$ 74,8 bilhões.

A estimativa do governo federal, porém, é que a área pode render mais 6 bilhões de barris, e, diante disso, a União pretende fazer um megaleilão do volume excedente, o que poderia render até R$ 100 bilhões aos cofres públicos. O leilão está marcado para 28 de outubro.

"Essa aprovação do termo aditivo do contrato entre União e Petrobras muito contribui para que as incertezas em relação ao leilão sejam minimizadas", declarou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, presidente do Conselho de Política Energética.

Segundo Albuquerque, a próxima reunião do conselho definirá a aprovação oficial do leilão.

Regime do leilão
Na reunião de fevereiro do conselho, ficou decidido que o leilão será por regime de partilha, modelo usado no pré-sal, que prevê que a União fique com parte da produção.

Na ocasião, também se estabeleceu que o vencedor deverá pagar à estatal uma compensação pelos investimentos na área, adquirindo parte dos ativos e da produção.


Fonte: G1